Senta que lá vem história de League of Legends.

Isso foi bem antes da Riot Games anunciar a Season 1 em 2011. O modo ranqueado estreou pouco depois do lançamento do LoL em outubro de 2009, mas vários jogadores já experimentavam e teorizavam o lado competitivo do game em alguns torneios desde a fase Beta. Especialmente na América do Norte com alguns nomes que você irá reconhecer logo, logo.

Mas, depois do lançamento, um torneio em específico chamou a atenção dos jogadores. Com a intenção de chamar a atenção dos fãs de esports, a Riot Games anunciou que faria um campeonato promocional na World Cyber Games 2010, em Los Angeles.

A WCG era, inclusive, uma das competições mais tradicionais e esperadas do cenário. Para isso, a Riot Games separou a premiação de US$ 100 mil nessa estreia e seletivas na América do Norte, Europa, Ásia e China.

A Counter Logic Gaming foi a campeã no cenário norte-americano e trazia alguns nomes conhecidos até hoje, como George “HotshotGG” Georgallidis (futuro CEO da CLG), Michael “bigfatlp” Tang, Sam “Kobe” Hartman-Kenzler (posteriormente narrador da Riot Games) e Steve “Chauster” Chau. Na Europa, um time chamado IWEARACAPEIRL venceu a seletiva, posteriormente sendo abraçado pela SK Gaming para o evento.

No lado ocidental, o maior destaque foi a participação do jogador profissional de DotA das Filipinas, Daryl Koh “iceiceice” Pei Xiang, que levou o time do seu país para o evento. Todos tinha um objetivo: proteger o Pantheon de iceiceice.

E o torneio inicia

Os jogos começaram. Eu nunca perdia uma edição da WCG, mas especialmente essa me chamou a atenção porque eu jogava sem parar League of Legends com meus amigos desde a fase Beta. E eu gostava de observar como o cenário competitivo de cada um dos jogos se desenvolvia — especialmente desse título que, com o tempo, virou fenômeno no mundo todo.

O metagame era uma terra sem lei. Annie ia top, Ashe ficava no meio para tentar “snipar” alguma flecha pelo mapa, Shen e Garen eram os favoritos para assumir a rota inferior ao lado dos suportes. Até Nunu jungle pegava teleporte para compensar os ultimates globais de Pantheon, Twisted Fate e outros.

Bans e picks não eram feitos dentro do jogo. Cada time tinha direito a banir dois campeões para então começar o draft. Tudo sendo feito na base do chat mesmo.

Aliás, nem existia modo espectador nessa época. Para transmitir as partidas, a Riot Games criou uma versão de Summoner’s Rift de seis contra seis jogadores, sendo que um dos campeões seria o espectador que ficaria paradinho e invisível dentro da base, mas teria a visão global do mapa.

A CLG rapidamente chegou até a final ao lado da SK Gaming. Tá aí um dos raros momentos na história do jogo em que o cenário asiático ficou para trás dos ocidentais.

Mais raro ainda foi ver “NA > EU” no primeiro título internacional de League of Legends.

WCG 2010 de League of Legends: as partidas

Caso você queira assistir as partidas, separamos todas elas nos links logo abaixo.

A primeira rivalidade NA: CLG vs. Epik

League of Legends LoL

Um capítulo totalmente a parte nessa história foi escrita nas finais da seletiva norte-americana. A primeira vez que eu vi uma partida de League of Legends em alto nível e fiquei intrigado como o jogo podia trazer uma dinâmica emocionante e acirrada nos momentos finais da partida.

HotshotGG já mostrava como a sua Nidalee era poderosa, ainda mais na companhia afiadíssima de Bigfatlp. Algumas plays eram questionáveis, mas vale a pena lembrar que este era o início do cenário competitivo do game.

Do lado da Epik, logo após esse torneio eles começaram a reestruturar a equipe e trouxeram alguns nomes de peso nos meses seguintes. Incluindo ele mesmo: Yiliang Peter “Doublelift” Peng.

Especial LoL 10 anos

ESPECIAL 10 ANOS LOL MAIS ESPORTS

O Mais Esports irá celebrar os 10 anos de League of Legends com uma série de matérias sobre a história desse game que marcou tantos jogadores. Fique de olho no site durante essa semana de aniversário para mais matérias especiais!