Vice-campeão do Mundial 2018 e protagonista de uma das maiores transações dessa janela de transferência, Rasmus “Caps” Winther também foi um dos representantes da LCS EU, agora LEC, no All-Star 2018, onde o meio de 19 anos conversou com o Mais e-Sports. Confira:

Algo que todos querem saber é por que você deixou a FNATIC para ir para a G2 Esports?

Caps: A FNATIC é um ótimo time, conseguimos o 2° lugar no Mundial, mas eu sinto que nós nos perdemos em um estilo de jogo muito lento e não contestávamos nenhum objetivo no início do jogo. Isso nos prejudicou muito no Mundial e eu senti que também prejudicaria no futuro, o jogo em si está sendo cada vez mais rápido e iriamos sofrer se não conseguíssemos jogar agressivamente no início do jogo.
Por isso eu resolvi entrar na G2, eles estão sempre sendo muito agressivos, talvez errem bastante por isso, mas estão sempre buscando fazer algo e eu quero isso.

Você é muito novo e ficou com o 2° lugar no Mundial, você sente que quase chegou lá e agora quer vencer mais do que nunca?

Caps: Sinto que no MSI 2018 foi a primeira vez que eu vi que os times coreanos e chineses não são imbatíveis mas no Mundial do ano passado foi muito difícil de enfrentá-los. Esse ano, porém, percebemos que podemos jogar contra eles e esperava muito eliminá-los e vencer o Mundial, o que me deixou muito desapontado quando perdemos a final, no entanto, com uma evolução nós poderemos vencer qualquer time, então estou muito animado para o ano que vem.

Perkz comentou na stream dele que você pode ser o melhor jogador do mundo mas precisa de mais ‘equilíbrio‘ na sua vida. Você concorda com ele? O que precisa fazer para chegar lá?

Caps: Obviamente eu acredito que posso ser o melhor, é por isso que estou aqui, sabe? Eu nunca tentaria ser um jogador se eu não acreditasse que posso chegar lá. É muito complicado saber o que é necessário para ser o melhor jogador, saber do que é ‘feito’ ele, não existe uma receita.
Depende bastante do meta, em um temos um jeito de vencer a partida mas no outro pode ser totalmente diferente. É difícil falar o que eu preciso para ser o melhor mas eu definitivamente acredito em mim.

Eu (Eric) conversei bastante com seu pai durante o Mundial na Coreia e ele falou sobre como te apoia muito e do seu irmão mais velho que jogava Dota competitivamente. O quanto isso te afetou?

Caps: Afetou muito, eu sempre queria fazer o que o meu irmão mais velho estava fazendo, ele jogava muito videogame, eu e o pessoal na minha escola também. Porém, foi ele quem instalou League of Legends no meu computador e se ele não tivesse feito isso eu provavelmente não estaria aqui.

Durante esse ano você teve a sua melhor performance mas não enfrentou o Faker. Ele também vai ter um time incrível para jogar no ano que vem, você está animado para enfrentá-lo? Mesmo ele não tendo um 2018 muito bom, acha que ele vai continuar jogando muito bem?

Caps: Eu quero muito jogar contra o Faker, nunca treinamos contra ele e nunca o enfrentei no palco, quero muito fazer essas duas coisas. Eu já joguei contra ele mas em 2×2, 1×1, só que não é a mesma coisa. Quero muito jogar contra ele no MSI ou no Mundial e provar meu valor, porque ele é o cara, sabe? Eu acredito que ele é um dos melhores senão o melhor mid laner.

Leia também: Perkz sobre Caps: “Ele poderia ser o melhor do mundo”