Uma das maiores ligas de esports do mundo, a nossa querida, amada, famigerada, ímpar Overwatch League está de volta! Depois de um bom tempo de férias, pra que os jogadores pudessem se hidratar e respirar, pra que os times pudessem se reestruturar – menos a Outlaws, que deve continuar sofrendo – e pra que os casters conseguissem descansar a voz, eis o momento de religarmos a máquina! E, claro, ficar mais grudado do que nunca nos jogos, uma vez que já estamos na segunda metade do campeonato!

Agora… O que mudou? O que tá rolando de novo? Quem se restruturou pra essa Fase? Depois de várias trocas, alterações de mapas, nomes novos chegando, nomes antigos permanecendo e muita especulação, partiu analisar tudo isso e se preparar pra Fase 3 da Overwatch League!

• Quais as novidades?

Primeiramente, é essencial falar sobre o mapa de Havana! Entrando como uma das telas a serem jogadas durante a Fase 3, o mais novo mapa do OWzinho chega com tudo na categoria de escolta – uma das categorias mais bisonhas, polêmicas e surpreendentes que o jogo tem!

Bisonho porque as mais diversas situações já ocorreram nesse tipo de mapa, como zebras aplicando uma defesa total nos favoritos, “re-ataques” longuíssimos após uma prorrogação difícil de ser ativada e mais! E, justamente por isso, a polêmica: São mapas que demonstram a real competitividade do jogo por darem muito espaço à composições diferentes? Após a carga chegar a X ponto, não fica muito tensa a retomada do objetivo? Junkertown, um dos expoentes mais famosos dessa modalidade, seria um mapa unicamente louco ou genial?

Com isso tudo em mente, a surpresa, último item citado, é o processo e a consequência: composições diferentes, bunkers, Meis congelando e contestando cargas, Bastion podendo aparecer no ataque, snipers e muito mais! Portanto, vai ser muito legal ver como os times se adaptam ao mapa de Havana, com suas áreas bem diferenciadas entre si que, somadas a uma ambientação variada, vai, com certeza, dar aquele tempero a mais na Liga!

Resultado de imagem para havana overwatchLegenda: Tá liberada a piada com a famigerada Havana Uh Nah Nah da Camila Cabello! | Fonte: Dot Esports

Além disso, é importante citar que o calendário muda a cada Fase, portanto um time não terá os mesmos confrontos que teve nas Fases passadas, o que pode facilitar ou dificultar o caminho das equipes durante um stage. Isso ocorre porque cada time joga duas vezes com equipes da sua mesma divisão – Pacífico ou Atlântico – e uma vez com equipes da outra divisão, gerando jornadas distintas em cada Fase mas ao menos uma partida com cada time ao final da Liga. E isso explica acontecimentos como a Defiant nos playoffs da Fase 1, por exemplo, pois a equipe teve um calendário relativamente mais fácil na época. Então, é sempre bom pegar o calendário da sua equipe pra saber se o desafio será mole ou mais difícil do que carregar Moira DPS na ranqueada!

• Quem mudou?

Dallas Fuel

Uma das equipes do velho oeste, que sediou o primeiro final de semana de jogos em casa da história do Esport, anunciou recentemente a contratação do tanque australiano Trill, que brilhou em seu time de base, a Team Envy, na Contenders América do Norte do Oeste. Mesmo 300 de ping, o pequeno monstro parecia um Taffarel de Abalo Terrestre com seu Reinhardt, além de conseguir abrir o espaço necessário pra sua equipe trabalhar, em especial na composição de GOATS.

Vai jogar? Provavelmente, não. Pelo menos não agora. Mas ter uma segunda opção de tank, conhecido por um Reinhardt extremamente consistente, é sempre muito bom. E pode abrir a opção do OGE, tanque titular da equipe, ser usado principalmente em mapas de Winston, quem sabe, caso o Trill se adapte ao estilo do time. É uma mudança que, a priori, parece sem impacto, mas que tem um grande potencial pro futuro!

Florida Mayhem

Após um final de Fase 2 bem conturbado, rodeado por polêmicas por conta de ter chutad… demitido seus jogadores ocidentais para manter um plantel completamente coreano, a equipe de um dos estados preferidos por brasileiros – pra passear e gastar dinheiro, no caso – reforçou seu elenco trazendo Fate, da Los Angeles Valiant, que é um dos grandes nomes na posição de Tanque Principal. Além disso, foi buscar na NRG, equipe da Contenders América do Norte Oeste, o suporte Byrem, também coreano, que pode ser um nome interessante pra equipe. Sangue novo, querendo jogo, querendo crescer, mesmo em um time que luta pra não se afogar.

Sinceramente, Fate não aparenta ser um Fissure, que praticamente sozinho salvou uma equipe, como fez com a Los Angeles Gladiators no ano passado. Mas não é um substituto aleatório, uma troca qualquer. É bruto na sua função e pode ajudar demais a Mayhem a conquistar uma campanha minimamente melhor do que conseguiu até agora, possuindo somente uma vitória em 14 jogos. E aí, será que ele aguenta o tranco?

Guangzhou Charge

Equipe de meio para baixo da tabela, a organização chinesa não necessariamente contratou jogadores, mas possui dois novos nomes elegíveis para jogo: Nero e Rise.
O primeiro, americano, é DPS, mas talvez não assuma a titularidade logo de cara, a não ser que a Charge opte por colocá-lo na linha de frente junto com Kyb, que é britânico, e poderia ajudar na hora da comunicação. De qualquer maneira, em se tratando da falação entre Brigitte e Rein ou Zarya e Rein, é sempre importante ter uma troca de ideias fluída, o que talvez não aconteça se o time inteiro se comunicar em inglês, uma vez que que o tanque principal Rio é coreano.

Além dele, Rise, offsupport coreano, chega à maioridade e garante sua elegibilidade no plantel. O problema, principalmente pra ele? Shu. Shushu beleza. Um dos principais nomes da Liga quando o assunto é surpresa positiva na função de offsupp, principalmente de Ana. Se encaixou no estilo da equipe desde o início e não imagino que irá sair da titularidade.
Agora… pode ser jogada de marketing, mas os players da Charge, em vídeo recente, disseram que com esses dois nomes agora serão capazes de melhorar. E mais: Shu comentou que quer mostrar que consegue carregar, o que não é uma mentalidade tão interessante em uma equipe profissional. Ou seja, a probabilidade de dar ruim é grande, mas eles tão prometendo coisa boa, então… por que não confiar, mesmo que com um pé atrás?

Los Angeles Valiant

Os verdinhos de LA, após uma Fase 1 tosquinha, sem vitória alguma, e uma evolução visível na Fase 2, após troca de técnico e de jogadores titulares, agora vem com três adições em seu elenco para a Fase 3. São elas: Shax, DPS; McGravy, offtank; e FCTFCTN, Tanque principal. Todos eles foram trocados somente pelo Fate, que estava no time, mais ou menos naquela pegada de trocar várias figurinhas comuns por uma brilhante. Mas quem ficou com as comuns foi a Valla.

Compensa? Bom… Talvez não. Fate se foi, então FCTFCTN – lê-se FactFiction – deve assumir a titularidade imediata, a não ser que a equipe queira jogar com Kuki, que foi contratado como tanque mas jogou de suporte. Se for o caso do reforço recente chegar jogando, SPACE pode não ter tanta sinergia com o cara, por já estar acostumado com Fate. Além disso, quem joga na posição de offtank? McGravy, que teve passagem rápida e boa pela Mayhem mas chegou agora ou SPACE que, mesmo com o time levando chinelada, foi apontado como um dos melhores em sua posição? E, se a resposta for a mais óbvia de apostar no bigodinho fininho do SPACE, a aquisição de McGravy se torna um pouco duvidosa.

E, por fim, a maior incógnita de todas é Shax, que pode chegar chegando e substituindo KSF, quem sabe. Mas o titular atual da Valiant foi um dos jogadores que mais subiu de produção, principalmente quando a liberdade cantou e ele siau do banco.
Resumo da ópera: A situação da Valiant permanece torta e, provavelmente, terão mais uma fase mediana. Entretanto, pode ser melhor do que a Fase 2, o que faria o time já melhorar em algum sentido!

Toronto Defiant

Mais um time que importou talentos da Contenders! Dessa vez, quem chega são os players Gods e Sharyk, ambos da Montreal Rebellion – equipe de base da Toronto Defiant. O primeiro já é figurinha carimbada no cenário, experiente Flex DPS, que pode contribuir bastante pro time. Já o segundo, tanque principal, também tem chances de assumir a titularidade mas, pra isso, mudanças fundamentais na equipe teriam que acontecer. Isso porquê a Defiant é um time completamente coreano! Mediano, ainda assim, mas com todos os jogadores coreanos. Por isso, trocar uma peça só talvez funcione, mas ambos desempenham funções que precisam de muita comunicação precisa, diferente de um Zenyatta ou D.va, que poderia jogar mais “por instinto”, mesmo não sendo a maneira mais aconselhável de jogar em uma equipe da OWL.

Portanto, ou a Defiant troca Yakpung e Envy ou IM37 por Sharyk e Gods, ou pode ser complicado demais fazer a coisa toda rodar. Ainda assim, se a dupla falante de inglês conseguir trabalhar bem junta, o potencial está lá pra Fase 4, quem sabe ano que vem.

Washington Justice

Por fim, mas não menos importante, a equipe de Washington, cuja fama não era lá tão boa no começo da temporada mas que, aos trancos e barrancos, está se estruturando e almejando colocações de meio de tabela!

Com as contratações recentes de ArK e Sleepy, pode ser que, finalmente, a Justice consiga uma segunda vitória na mesma Fase! E fiz questão de incluir o time nessa coluna, mesmo sabendo que a equipe já jogou com o elenco renovado, porque a mudança foi bem no finalzinho da última fase e somente agora que, possivelmente, o time conseguiu estabilizar a alteração, o que é essencial para um bom desempenho. Ambos são capazes de fazer boas jogadas, criar situações favoráveis pra sua equipe – principalmente Sleepy – e serem o diferencial dentro de jogo. Fora o fato conhecido de que ArK já havia trabalho com WizardHyeong, técnico do time, na NY Excelsior.

Os dias estão emanando uma nova aura de esperança pra Washington (poético) e existe a chance real da equipe emplacar agora, tanto pelas mudanças quanto pelo calendário de dificuldade mediana durante a Fase 3. Mas calma, emplacar aqui significa fazer mais bonito que a Mayhem ou Outlaws, por exemplo, mas não espera um grande upset vindo da Justice.

 

E é isto! Agora que já estamos por dentro das novidades e de quem mudou seus elencos pra Fase 3, quem sabe trazendo melhorias necessárias pros respectivos times, agora é só acompanhar tudo pelo canal Oficial da Liga em Português, toda quinta, sexta, sábado e domingo! Para checar os horários de jogos, só dar um salve no Site Oficial da Liga que já aparece tudo convertido pro horário de Brasília. Além disso, vale a pena sempre ficar ligado no meu Twitter pra não perder nenhuma novidade do Overwatch Competitivo e alguns memes duvidosamente bons, também! Espero vocês na semana que vem em mais uma coluna e, claro, nas transmissões da razão do meu libido, a linda da Overwatch League! Abraço! :D