O “Caso Loop” ganhou bastante destaque na mídia do E-Sport brasileiro nesse final de 2015.

Após investigações da Riot Games e várias reuniões, a Empresa decidiu punir a paiN Gaming por Poaching e o jogador Caio “Loop” Almeida ficou inapto de realizar sua transferência para o time.
Com isso, Loop está ficando de fora desse Split do CBLOL.

Leia: paiN Gaming é punida por Poaching

Veja: Power Rankings do CBLOL 2016

Hoje, o jogador chegou de viagem e postou sobre toda confusão em sua página do Facebook:

“Eae galerinha, hoje é dia de textão explicando o que a rapaziada começou a chamar de “Caso Loop”

Primeiramente, peço mil desculpas pela demora, explicações serão feitas sobre todos os pontos possíveis aqui e nos próximos dias. Agora eu vou contar uma história pra vocês, a história de quase tudo que aconteceu comigo essas últimas semanas. Ressalto que eu não estou criticando nada exposto aqui de maneira negativa, estou apenas mostrando e esclarecendo tudo que ocorreu COMIGO e com a MINHA família nesse tempo.

Vamos aos fatos então: um dia depois de eu ter voltado da Austrália (02/12) eu, por meio de terceiros, fiquei sabendo de um possível interesse da paiN na minha contratação, assim como muitos já estavam sabendo na época, já que fofoca é a coisa mais comum nesse cenário. No dia seguinte (03/12) eu e meu pai tivemos uma reunião com os responsáveis da INTZ e nela comunicamos do que sabíamos de uma maneira um pouco equivocada porém que esclarecemos mais tarde, eles nos disseram que a paiN havia realmente tentado realizar uma proposta por meio deles e que eles não tinham vontade de negociar e preferiram não falar nada. Após uma reunião com algumas discordâncias, eu, junto com a minha família, decidi que seria melhor pra mim rescindir o meu contrato com a INTZ já que não estaríamos em sintonia em diversos pontos, portanto, no mesmo domingo (06/12) expressei meu desejo de terminar o meu contrato, comunicando tanto a INTZ como a Riot.

Veja: Power Rankings do CBLOL 2016

A partir daí eu entrei em um buraco negro de comunicações, foram diversos e-mails, telefonemas, mensagens e inclusive um telegrama tentando o contato para uma solução da minha situação contratual (que até hoje está vigente). Nessa semana seguinte ao evento eu consegui, depois de múltiplas tentativas de contato também (e-mails, telefonemas e mensagens), uma reunião com a Riot para explicar tudo que havia acontecido sobre as reuniões, como o interesse da paiN chegou aos meus ouvidos e da minha tentativa de rescisão contratual, inclusive pedi auxílio nas comunicações com a INTZ para que eu pudesse resolver isso o mais rápido possível antes das férias, tanto minhas como de todos trabalhando no caso e um pedido pessoal de evitar qualquer escândalo público com meu nome envolvido, já que isso afetaria minha imagem com organizações e fãs. A reunião ocorreu com meus pais presentes na sexta-feira (11/12), tudo que foi falado e pedido nela (auxílio e depoimento sobre o ocorrido) foi esquecido nas futuras resoluções.

Foi apenas na próxima quinta-feira (17/12) que conseguimos uma reunião com os representantes da INTZ (que durou totais 5 minutos), foi acordado que resolveríamos a rescisão o mais rápido possível dali em diante mediante os termos que concordamos. A tal reunião foi finalizada por volta das 17h, às 18:15 exatamente todas as partes envolvidas foram comunicadas da punição e de que a decisão ali tomada era final, às 19h do mesmo dia ela foi publicada. Mesmo comigo tendo frisado que não houve nenhuma tentativa de contato da paiN nas minhas diversas declarações privadas e públicas.

Após essa última reunião todos os meus passos e ações foram instruídos por um advogado que vem me apoiando e minha família, já que ali estava eu envolvido em alguns vários problemas que até hoje me atormentam. As férias começaram, eu tive a minha viagem (22/12 – 05/12) onde não podia resolver muita coisa e aqui estou no dia de hoje, ainda com meu contrato vigente, apto e disponível para trabalhar.

Vale lembrar que o nome do meu pai foi exposto algumas vezes e colocaram-no como mentiroso em algumas situações, ofender um homem como ele é ridículo e inaceitável pra mim, essa foi uma das principais razões de eu querer mostrar o que ocorreu. Todos os fatos aqui relatados podem ser comprovados caso necessário.

Novamente, peço desculpas pela demora, durante a semana estarei usando meu twitter (loopk_) e a page pra esclarecer mais alguns pontos que possam surgir. Quem puder compartilhar o post pra informar todo mundo com dúvida eu agradeceria muito pra todos verem exatamente o que aconteceu.”

Será que esse caso vai terminar como hein? Fique atento no LOLNews para mais informações!

Leia: Resumo dos acontecimentos do Caso Loop

Veja: Power Rankings do CBLOL 2016