2018. Um surto de cabras ocorre no Overwatch. O mundo, maravilhado com a estratégia incomum, decide aderir à tática aos montes e esta se torna famosa. Com a fama, mais e mais fiéis começam a implementar a famigerada formação em seus jogos competitivos e profissionais.

2019. Um bom tempo se passou, os estilos de jogo mudaram. Novas possibilidades estão sendo constantemente criadas – obrigado Chengdu Hunters – e a composição de 3 tanques e 3 suportes, popularmente invocada pelo acrônimo endemoniado de GOATS, permanece relevante e, por mais que mudanças recentes no Servidor de Testes indiquem uma possível queda brusca da força de tal estratégia, ainda assim ela deve se manter viva e situacional, principalmente pelo tanto de tempo gasto em aperfeiçoar todas as características do jogo pesado que a tática apresenta.

Por isso, vale muito a pena olhar e entender mais a fundo a diferença entre as duas vertentes mais conhecidas da composição de GOATS: A que trás Reinhardt – considerada a original – e a que substitui o tanque alemão pelo cientista mais famoso do jogo – Winston. Então, partiu analisar os pontos fortes, fracos e a utilização geral das duas vertentes, hoje com participação especial de Insanityz – técnico da Lowkey Esports – e Gatti – técnico da Suquinho Nation, ambos times da Overwatch Contenders América do Sul, o maior campeonato da nossa região!

• A intenção geral

Desde o princípio, o potencial que mais se sobressai quando o assunto é GOATS é o de amassar os adversários. Velocidade do Lúcio, bolhas da Zarya para a proteção do seu Reinhardt, os tanques focando um alvo e batendo loucamente como um tanque de guerra sem freio que atropela tudo e todos que estiverem em sua frente. E, com o tempo, o suporte que mais se adequou a tais entradas violentas foi o Zenyatta, justamente por conta de sua Orbe da Discórdia – que amplifica o dano recebido pelo adversário marcado – e pela sua Transcendência e dano em geral.
Com isso em mente, colocar um Winston na composição e retirar uma das peças mais importantes parece um pouco displicente e, talvez, até ruim. Porém, não é bem assim.

Como diria Neves – Cooooooorreeee!!! Olha o Guliiiiiraaaaaaa!!!                               Foto: HeroesFire

A DOATS ou FLOATS – siglas mais usadas que significam respectivamente “Dive Goats” ou “Flying Goats”, fazendo menção à maior mobilidade da composição quando comparada à vertente com Reinhardt – recebeu muita atenção e está atualmente sendo bastante utilizada por conta de fatores chave, sendo estes:

• Maior velocidade de geração de recursos específicos.
Segundo Insanityz, em geral a DOATS vai deixar sua Zarya carregada mais rapidamente, pois esta coloca sua bolha de proteção no Winston, que está saltando sobre a equipe adversária e recebe muito dano fazendo isso, o que, consequentemente, irá encher a energia da heroína russa velozmente, o que é extremamente importante para eliminar os adversários.

E isso, claro, enquanto protege o Winston do dano inimigo e o faz machucar mais o time do outro lado, gerando sua Fúria Primata também em alta velocidade. É unir o útil ao agradável.

• Facilidade de lidar com composições de 3 DPS ou mais.
Embora pareça estranho para o jogador que não acompanha tanto o competitivo, composições de 3 ou até 4 DPSs são uma realidade, principalmente por conta de sua capacidade de sobreviver, criar zonas de fogo cruzado e, claro, prender o adversário em um espaço para receber dano de todos os lados.

Como cita Gatti, a 3-3 com Winston possui o escudo do Cientista que ajuda na hora de quebrar, interromper o campo de visão da Widowmaker adversária e de contestar algum alvo fora de posição. Além disso, a sobrevivência geral da composição, por não precisar ficar de castigo protegendo o Reinhardt, aumenta consideravelmente e ajuda no processo de levar a vitória contra vários DPSs.

• Controle de Terrenos elevados.
Essa é mais direta e reta porém não deixa de ser importante. A composição de GOATS com Reinhardt, a padrão, anda normalmente agrupada e tem mais dificuldade em garantir o controle de terrenos elevados. Ou, pelo menos, eu nunca vi um alemão numa armadura gigante saltar pelos ares!

Portanto, o Winston ajuda seu time a impedir rotações adversárias, sempre contestando choke points – locais de encontro entre as duas equipes – e gerando dano e recurso para seu time com isso, o que é muito importante mais a frente nas lutas e na economia geral de supremas!

Exemplo de DOATS vs GOATS – Note a diferença de supremas entre o Winston e o Reinhardt adversário após uma luta! Foto: Reprodução OWL

Entretanto, nem tudo é perfeito, é claro, e a DOATS apresenta pontos fracos que podem ser explorados pela equipe inimiga!

Primeiramente, como diz Gatti: A vertente com Winston precisa de terrenos elevados para funcionar. Se tais terrenos não estiverem disponíveis, tudo que a GOATS com Reinhardt precisaria fazer para cancelar o salto do Winston adversário seria recuar em conjunto e, logo após isso, atacar em um ângulo único, forçando o pulo defensivo do Winston adversário e a abertura de um grande espaço para eliminações do Reinhardt aliado e companhia. Portanto, prefira o Cientista em mapas como Anubis, Volskaya, Colônia Lunar Horizon, Blizzard World, entre outros que possuem terrenos elevados o suficiente. Normalmente, inclusive, a estratégia só é utilizada no primeiro ponto, justamente pela geografia do mapa!

Com isso tudo em mente e levando em consideração o conhecimento adquirido acima – ET Bilu mandou buscar, só obedeci -, eis algumas dicas pra aplicar a composição de Winston com seu time!

Primeiramente, seu Lúcio, como indica Insanityz, pode buscar um posicionamento avançado e tentar o Boop em algum adversário para isolar este alvo durante a rotação inimiga e dar a oportunidade de seu time avançar com tudo pra cima dele, gerando uma eliminação rápida com Winston, D.Va e Zarya pressionando o sujeito que deve ser marcado pela Orbe da Discórdia do Zenyatta.

Além disso, após seu Winston possuir a Fúria Primata, é possível pular de maneira mais incisiva na retaguarda do time inimigo, pois o Cientista consegue instantaneamente ficar 300% pistola e ganhar 1000 de vida. Portanto, utilize isso a seu favor e coordene bem o salto para que seu time possa acompanhar! E, como cita Gatti: a Fúria Primata também serve muito bem para isolar alvos e gerar eliminações rápidas, exatamente da mesma maneira apresentada acima, porém com os tapas do Gorila e não com o Boop do Lucinho!

Uma constante em todas as vertentes e extremamente importante – Olho no uso de bolhas e na energia da russa! Foto: Overwatch

E tudo que vai… pode voltar! Então, eis dicas pra lidar contra a composição de DOATS utilizando os 3 tanques e 3 suportes na sua formação mais comum, ou seja, com Reinhardt – que tem sido justamente a principal resposta para a vertente com Winston:

Segundo Insanityz, o objetivo da GOATS – do seu time, neste caso, que traz Reinhardt – é rotacionar por todos os terrenos elevados para forçar a descida dos adversários ao ponto e, consequentemente, obter mais chances de vitória na luta justamente por não contar com a verticalidade atrapalhando sua tática. Portanto, é comum e importante realizar diversas rotações para que não sobre ninguém que possa estragar a festa da sua equipe!

Justamente porque, caso isso não seja feito, a equipe adversária tende sempre a manter sua Zarya e Zenyatta em terrenos elevados e estes farão sua equipe sofrer, justamente por conseguirem emplacar dano de outros ângulos que não podem ser protegidos completamente pelo seu Reinhardt e seu time em geral. Então… Não tenha medo de expulsar os inimigos antes de forçar a briga no objetivo!

E, como a regra de um lado também se aplica a outro, cuidado com o Lúcio adversário Boopando alguém da sua equipe para fora da formação, pois isso pode significar a derrota instantânea na briga!

Por fim, aqui é possível conferir um exemplo da execução de ambas as composições – e perceber suas diferenças de acordo com o que foi dito – neste jogo da Overwatch League! E, claro, sempre fiquem de olho na Transmissão Brasileira da OWL – de quinta a domingo, estando os horários disponíveis no site oficial da OWL – e na Overwatch Contenders América do Sul – toda segunda e quarta a partir das 19h em seu Canal Oficial!

Espero vocês por lá e semana que vem em mais uma coluna aqui no Mais! Abraço! :D