Ao deixar a posição de coach da KaBuM e voltar para a China, Wong “Tabe” Pak Kan chegou a mencionar em uma stream vários problemas que ocorreram durante sua passagem no CBLOL. O Mais Esports conversou exclusivamente com Tabe sobre este 1° split de 2019.

Tabe iniciou a entrevista falando sobre Leandro Ramos, fundador e CEO do e-commerce KaBuM: “Ele é um cara legal, uma pessoa que sempre me tratou bem. O problema é que ele não estava lá conosco na GH”.

BARREIRAS LINGUÍSTICAS

Um dos primeiros pontos abordado por Tabe foram as barreiras linguísticas que o treinador precisou enfrentar no CBLOL: “Quando eu cheguei no Brasil eu fiquei chocado. Era a minha primeira vez em São Paulo e eu pesquisei bastante sobre a cidade antes de ir para a KaBuM. Eu não sabia que as pessoas simplesmente não sabiam inglês. O nível de inglês lá era pior que no Japão ou na Coreia”.

Tabe acrescentou que tinha dificuldades em alguns momentos em restaurantes e lanchonetes. Logo depois, ele mencionou como a linguagem afetava sua relação com os jogadores: “Os jogadores conversaram entre si em português e só falavam comigo em inglês quando eu me dirigia à eles. Eu encontrei uma grande dificuldade nisso e eu falei para o nosso manager [Leonardo Pierroti] que eu queria aprender português. Ele me respondeu dizendo que não tínhamos orçamento suficiente para isso”.

“Na maioria das vezes quando eu falava com eles em inglês, cinco segundos depois eles começaram a falar entre si em português. Eu não entendia sobre o que eles estavam falando”, continuou.

De acordo com o treinador, o manager deu a ideia para Tabe jogar League of Legends com chineses que moram em São Paulo e que eram fãs da KaBuM e, em troca, ele poderia aprender um pouco de português. “Na época eu não falei nada mais sobre e simplesmente comecei a aprender, através do YouTube, algumas coisas básicas do português”.

FALTA DE RESERVAS, RELAÇÃO COM JOGADORES E SOLOQ

Quando foi contratado, o vice-campeão mundial havia explicado que a KaBuM poderia ser forte no Brasil, mas não era forte comparada com os outros times do Wildcard. “Eu recomendei contratar pelo menos dois subs mas eles responderam ‘A não Tabe, nós queremos utilizar estes mesmos cinco jogadores'”.

O treinador explica que não queria necessariamente contratar dois coreanos, mas que independente da nacionalidade, ele iria recomendar “boas contratações que o time precisava”. Ele completa: “Eu perguntava o porquê [não podíamos contratar] e eles me falavam ‘Tabe, todo o nosso orçamento é para você agora. Você tem um preço alto para a KaBuM’. Eu não gosto de usar isso como desculpa pois a KaBuM foi campeã e atuou no MSI e no Mundial. Então eu tinha confiança nos cinco jogadores mas eu falei para eles ‘Vocês perderam para o Japão’ e que se outros times do CBLOL trouxessem jogadores coreanos, eles iriam vencer a KaBuM”.

Tabe repetiu diversas vezes durante o telefonema de uma hora que “não queria culpar os jogadores” e elogiou bastante o mid laner da equipe: “Dynquedo era um jogador que toda vez que eu falava para ele mudar em algo, ele iria tentar melhorar. Durante todo o CBLoL, ele era o jogador que continuava jogando consistentemente bem. Ele gerenciava bem seu tempo entre o trabalho e sua namorada. Ele estava realmente se tornando um jogador modelo para os brasileiros. Quando eu saí, ele foi o único que me deu um forte abraço. Eu me senti feliz pois um treinador sempre quer o reconhecimento de seus jogadores.”

Foto: Riot Games

“Eu fico realmente triste durante meu tempo como treinador da KaBuM pois eu não senti que eu consegui ensinar nada para eles. Em alguns momentos eles não me escutavam”, desabafou.

O treinador também chegou a falar, na sua stream e durante a conversa com o Mais Esports, sobre os jogadores não jogarem muitas partidas na soloQ. Tabe explica que, após os treinos, você precisa praticar nas filas ranqueadas até sua hora de dormir e completa: “Com certeza você vai ter hora para descansar. Se você vencer, você tem um feriado. Mas, se você perder, você não tem feriado. Esta era a punição que eu queria dar aos jogadores, mas o manager não liberou. Ele comentou que, talvez por causa da Lei ou alguma desculpa assim, não poderíamos punir os jogadores. Mas eles me puniram, sabe?”.

Os jogadores da KaBuM comentavam para Tabe que a soloQ brasileira era ruim e seria inútil jogar nela: “Eu falava ‘você só pode me falar isso se estiver no top 10, 15’. Mas eles estavam longe disso”.

Comentamos com Tabe que muitos jogadores pensam isso da soloQ brasileira. Perguntado se ele acredita que os jogadores podem de alguma maneira melhorar, mesmo com os problemas de nossa soloQ, ele respondeu: “Com certeza eles podem evoluir. Até eu mesmo… Eu tive quase 700 jogos. Eu joguei bastante pois assim eu poderia ensinar eles fundamentos da fase de rota. Qualquer um pode fazer os picks e bans, falar que Zoe é um counter da Lissandra. Certo? Uma pessoa normal sabe isso. A questão é saber como jogar esta lane contra a Lissandra. Me entende? Você precisa jogar”.

“Eu pedia ‘pessoal, vocês podem jogar mais soloQ?’ e eles respondiam que sim, mas não jogavam”, completou.

O treinador comentou sobre Lee “Shrimp” Byeong-hoon também continuar jogando soloQ por horas e horas – mesmo com a má qualidade da fila brasileira. “Shrimp chegou a me perguntar, às 5 da manhã, porque eu jogava tanto. Eu respondi: ‘se eu não jogar, como eu posso treinar meu time?'”.

Tabe repetiu mais vezes durante a chamada que não colocava a culpa nos jogadores pelos resultados: “O principal problema é que não tínhamos jogadores reservas. Tendo apenas os cinco jogadores, sem a KaBuM querendo novos jogadores… Eles não tinham uma competição interna”.

Toda vez que o treinador pedia para ter mais jogadores, o manager apontava que a organização não tinha dinheiro para isto: “Ele me falava que eu tinha o maior salário e eu tinha a maior responsabilidade”.

DEMISSÃO, RENEGOCIAÇÃO E NOITES NO CHÃO

A KaBuM teve um péssimo início do CBLoL, chegando a ficar com seis derrotas seguidas na competição, e o treinador falou sobre o período: “Eu duvidei de mim diversas vezes, eu estava chorando no meu quarto. Eu me sentia muito mal. Mas, na época, eu não falei nada sobre a KaBuM. Eu queria ver a KaBuM vencer, eu queria ver Hiro, o treinador campeão, trabalhando. Eu queria ver a KaBuM ser campeã novamente e assim, aprender. Certo?”.

“Eu era a pessoa que mais trabalhava no time e eu já estava duvidando de mim mesmo. Você pode perguntar para o Halier… Ele sentava do meu lado todos os dias e eu era o último a dormir todos os dias. Eu senti toda a culpa pelas derrotas, eu sempre pedia desculpas em meu Twitter. Eu nunca dei desculpas, sempre falei que a culpa era minha. Eu nunca botei a culpa nos jogadores durante toda a temporada”.

“Quando tivemos os péssimos resultados, o manager falou que a KaBuM me queria fora e o Hiro de volta. Eu comentei ‘Ok, mas você tem que me pagar um mês de salário para mim’ e eles falaram ‘Não, não temos isso no nosso contrato’ mas antes deu assinar o contrato eu pedi para isto ser incluído. O problema foi que eles não adicionaram isso. Meu contrato estava em português e eu não entendo português. Não acho que este foi um problema da KaBuM, acho que este foi um erro meu. Eu deveria ter contratado alguém que sabe português para checar o meu contrato”.

Foto: Riot Games

Após a demissão de Tabe, Matheus “Dynquedo” Miranda se posicionou a favor do treinador e pediu para que ele continuasse no time. “Eu realmente agradeço por tudo para ele. Eu lembro que ele falou para a organização ‘Tabe é muito bom no jogo, tão bom quanto os jogadores mas o problema é que ele é muito rígido.’ Eu sou agressivo. Quando eu via que Dynquedo fazia algum erro eu perguntava ‘Por que você foi tão noob? Como você ganhou o MVP no ano passado?’ Mas este é meu estilo, entende?”.

O treinador também explicou que prometia recompensas, como pagar jantares, caso os jogadores vencessem.

Com a entrada de Hiro, Tabe teria seu salário reduzido caso quisesse continuar na equipe. “Eles me ofereceram 20% do meu último pagamento, mas negociamos”. Após fazer algumas contas, ele comentou que passou a receber algo em torno de 55% do salário antigo.

Outra grande polêmica dita por Tabe em sua stream é que ele precisava de dormir no chão. “Eu precisei de dormir em um colchão no chão em outro quarto, com o Halier, e ele me contou que estava lá há um ano. Nós dormíamos um do lado do outro praticamente, como um casal [risadas]. Eu não deveria dormir no chão, mas eu só queria vencer e por isto fiquei”.

VONTADE DE VENCER… E DE JOGAR

Tabe voltou a mencionar o fato de Leandro estar fora da gaming house e comenta que, durante esta situação, ele ficou com tanta raiva que resolveu pela primeira vez falar diretamente com o CEO da KaBuM.

“[Eu disse] ‘Chefe, você me contratou e eu vim da China. Você achou que eu iria trollar o seu time? Eu realmente estou tentando duro’. E também comentei para ele que em 2016 eu joguei na LPL e eu vi os problemas do time, que não tínhamos um shotcaller e etc. Eu realmente queria jogar no CBLoL. Eu falei que precisava de apenas uma semana e estaria no Challenger. E, em uma semana, eu estava com mais elo que todos os jogadores da KaBuM, com 556 pontos. Eu poderia jogar. Em 2016, meus adversários eram Meiko e Mata. Eu tinha confiança suficiente para jogar no Brasil. Mas eles queriam continuar usando a line-up principal”, contou.

“Eu não sou o tipo de pessoa que viria para o Brasil, pegaria meu salário e iria embora. Eu realmente queria vencer. Se eu não quisesse isso, eu estaria como comentarista da LPL em Xangai. Toda minha ideia de vir para o Brasil era que eu teria a habilidade e coragem. Mas tudo que eu queria era bloqueado pelo manager. Como o ‘use os cinco jogadores, não temos dinheiro para outros jogadores pois gastamos em você'”.

Buscando consertar os problemas da KaBuM, Tabe se propôs diversas vezes para jogar. “Eles não deixavam eu jogar. Toda vez que eu queria jogar uma scrim, o manager falava ‘Tabe, você não pode jogar'”,  e ele explica que, mesmo com Hiro querendo testá-lo, o manager não permitia.

PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO

Durante diversas vezes, Tabe citou problemas de comunicação entre o que ele falava e o que era passado para o CEO da empresa. De acordo com o ex-jogador, quando ele falava diretamente com Leandro e não com Leonardo, o manager, era “totalmente diferente”.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

“Eu, Tabe, tenho 100% de confiança que posso levar um time brasileiro para um novo nível. Mas você precisa deixar tudo nas minhas mãos. Eu irei trabalhar, 12, 14, 16 horas por dia. Eu posso jogar soloQ, posso ver todos os jogos da LPL, LCK, LEC. Eu assisto todos os jogos do CBLoL e ainda posso ser um jogador. Eu sou muito confiante no meu conhecimento de League of Legends hoje”, afirmou Tabe.

“Eu não quero botar a culpa nos jogadores. Eles não são da LPL. Eu sou da LPL, eu estou acostumado com a pressão. Eu vim da China e talvez este é meu problema, sou muito agressivo. Depois de Hiro chegar, terminamos em 6° lugar, provando que o problema não era coach. Não tínhamos reservas”, completou.

Suas últimas palavras na chamadas foram novamente reforçando sobre a sua boa relação com Leandro. “Eu realmente gostei dele, e gostaria de deixar um conselho… Se ele realmente quer que a KaBuM vença, eu acho que ele precisa visitar a gaming house pelo menos uma vez por semana. Eu queria realmente agradecer ao Leandro e a KaBuM por ter me permitido finalizar a temporada. Eu e o Hiro não conseguimos levar a KaBuM para os playoffs mas fico grato por tudo”.

Após deixar a KaBuM, Tabe voltou a atuar na mesa de análise do casting em inglês da LPL.

Na KaBuM, Leonardo Pierroti, o manager citado por Tabe diversas vezes, não está mais no comando da equipe. O time contratou Vinicius Aguiar, ex-paiN Gaming e Riot Games, como head de esports da KaBuM.

COMUNICADO OFICIAL

Em seu site, a KaBuM divulgou uma nota oficial se posicionando após “informações divulgadas por Wong ‘Tabe’ Pak Kan Martin em transmissão no início da semana, com repercussão na imprensa chinesa”.

Confira a nota, na íntegra:

“O ex-coach tinha ciência da cultura local e condições de comunicação do time, logo nas tratativas que antecederam a sua contratação. Ainda assim, todos os jogadores tinham conhecimento do inglês. Inclusive, vale ressaltar que a KaBuM! e-Sports já contou, em sua staff técnica, com um coach franco canadense (ano em que a equipe de LoL foi campeã brasileira – 1º Split do CBLOL 2018).

Quanto aos horários de treino praticados pelos jogadores, a jornada de trabalho respeita as normas vigentes da legislação brasileira. Destacamos que a rotina seguida no Split passado foi a mesma aplicada nas etapas anteriores, rendendo os dois títulos do CBLOL 2018.

Em relação às questões estruturais, a KaBuM! e-Sports também se coloca à disposição para apresentar a sua Gaming House, sendo referência no cenário. Anunciada por meio de coletiva de imprensa, a residência está localizada em região nobre da capital paulista e conta com 5 quartos, 7 banheiros e área de lazer completa, totalizando cerca de 600 metros quadrados.

Referente à ampliação da comissão técnica, o retorno de Lee “Hiro” Woo Seok ocorreu após 6 derrotas consecutivas sofridas pela equipe no CBLOL, sendo unânime a decisão do time quanto ao desligamento de Tabe e substituição pelo profissional coreano. Em contrapartida, informamos ainda que o ex-coach contatou a diretoria na ocasião, para expressar o seu desejo de permanecer na organização e alcançar a pontuação no campeonato, como integrante da line-up. Foi decidido, portanto, conceder uma segunda chance a ele, no entanto com uma nova atuação – assistente do Hiro. Mesmo diante do downgrade na posição, o mesmo assinou o novo contrato consentindo a mudança e firmando o desejo de seguir na função.

Já no que diz respeito às contratações direcionadas à gestão da organização, as decisões não são tomadas pela comissão técnica, e sim pela diretoria, de acordo com estratégias de desempenho e demais fatores administrativos.

Ademais, todos os pontos contratuais foram respeitados e devidamente assinados entre as partes.

Diante do posicionamento acima, lamentamos a postura de Tabe. Ainda assim, reforçamos que a KaBuM! procurou prezar pelo bom relacionamento com o ex-técnico, incluindo o momento de sua saída do time. Informamos também que a organização mantém o desejo de que Tabe siga a sua trajetória com profissionalismo e consiga se reposicionar no mercado de eSports, após não ter alcançado sucesso em solo brasileiro. Frente aos fatos, a organização afirma que irá tomar as medidas cabíveis.

Agradecemos pela oportunidade de esclarecimento à imprensa e torcedores que acompanham o nosso trabalho. Por fim, sentimos pelo fato do ex-coach manifestar de forma negativa sua impressão sobre os brasileiros, tendo em vista que o país é conhecido por ser tão acolhedor. Ficamos à disposição para novas solicitações e estendemos o convite à imprensa para visitarem a Gaming House. Estamos de portas abertas!”