Conversamos com Diogo “Shini” Rogê, jungler da INTZ. A equipe de Shini venceu nesse Sábado (14) a ProGaming pela Série de Promoção do CBLOL. O time garantiu um 2-0 e disputará o segundo split do CBLOL 2018.

Foto: Riot Games

Você jogou os dois jogos de Trundle e foi um dos destaques da Série. Tem como explicar as forças do pick?

Shini: “A força do Trundle vem até antes de começar o jogo, no Draft. Pegamos ele como firstpick nos dois jogos (eramos blue-side). Ele é muito forte pois ele pode ser Jungle, Top e suporte. Você tem tanta flexibilidade no pick, em um firstpick, sendo que ele é um jungle forte já. Ele não é tão forte nas outras roles mas pode servir, é situacional. Tem toda essa flexibilidade e você já exclui Olaf pois ele é muito forte contra Olaf. Qualquer tank que eles pegarem  não vai ser muito efetivo por causa do ultimate do Trundle. Eu acho que foi um erro da ProGaming, deixar esse Trundle, principalmente para pegar o Zac.
Nosso time não tinha nenhuma maneira de parar o Zac, tirando o pilar do Trundle, e o que o Trundle faz muito bem é derreter um Tank (roubando as resistências e etc), então quando o Zac pulava eu ultava ele e ele tinha que sair.”

Shini também explicou que as runas do Trundle fazem com que ele tenha trocas muito boas, diferente da maioria dos outros junglers do meta. “Quando você pega level 6 você mata qualquer um. Ele é o herói do patch ao meu ver,” contou o jungler.

Vocês tiveram uma performance muito boa hoje comparada com a campanha da INTZ na fase regular. O que aconteceu com vocês durante esse split? 

Shini: “Eu não sei se tem algo a ver com pressão, pois hoje jogamos mais soltos. Tivemos muito tempo para nos preparar, talvez isso deu uma ajudada. Eu não sei o que aconteceu, não só comigo mas com a gente como um todo, no começo do split. Mais para o fim nós fomos arrumando algumas coisas mas era muito tarde.”

Você falou que vocês arrumaram algumas coisas mais para o final, o que seria?

Shini: “O que eu acho que nós arrumamos mais foi jogar o nosso jogo mas baseado no oponente que vamos nos enfrentar. A ProGaming por exemplo joga de maneira muito caótica. Nesse jogo tinha horas que eles estavam atrás e ficavam em 5 no mato, tentavam matar alguém. Então se a gente fizesse um Draft coerente contra o time que vamos jogar, um draft com scaling contra a ProGaming por exemplo, nós sabíamos que iríamos ganhar basicamente por osmose. Eu diria mais que foi a preparação contra o time que arrumar algo nosso, diria que estamos em uma situação bem confortável sobre nós.”

Vocês jogaram no lado azul nos dois jogos. Como foi isso? Esperavam isso?

Shini: “Ficamos bem felizes quando eles escolheram Blue Side no primeiro jogo, era o que nós queríamos. No segundo jogo a gente só fez a mesma coisa. O Draft foi muito parecido, eles que mudaram trocando os dois primeiros picks deles. Eles meio que caíram na nossa armadilha. Jogamos com o que nós queríamos e sabia o que eles iriam pickar basicamente. O Kog já estava preparado caso eles pickassem Tristana. Foi de boa, blueside show.”

Como você avalia a campanha da INTZ nesse split?

Shini: “Uma campanha bem medíocre. Não diria que foi horrível, tivemos um pontos bons mas tivemos pontos bem ruins. Se eu fosse dar uma nota eu daria um 5. Não foi muito bom. Esperávamos muito mais desse time, muito mais de nós mesmos. Foi um balde de água fria ter que jogar essa relegation, mas estamos felizes por ter afastado todo esse negócio de rebaixamento e poder ter férias de cabeça limpa.”

O que a INTZ precisa melhorar para o segundo split?

Shini: “Eu acho que temos que melhorar nossa mentalidade, também os nossos nervos. Principalmente no meu caso, acho que isso me afeta muito. Em casa, em uma situação confortável, eu jogo 1000% melhor que talvez seja questão de tempo, se acostumar. Quem sabe fazer uma meditação ou algo para acalmar. Eu diria que é mais questão de pensamento mesmo, não estamos devendo no jogo não.”