- Publicidade -

O Mais Esports conversou com Ranger após a primeira semana vitoriosa do Flamengo no 1° split do CBLOL 2020. Confira:

Estreando contra a paiN Gaming, o novo jungler da KaBuM comentou a vitória: “Eu estou feliz de ter começado com o pé direito. Eu acho que a nação rubro-negra acima de tudo precisava dessa vingança contra o brTT, o pessoal estava um pouco sentido. Então, foi bom dar esse gostinho de vitória para eles.”

O jungler também lembra que é um campeonato longo mas todos os pontos são importantes e 1 ou 2 pontos podem fazer a diferença no final do campeonato.

Ao ser questionado se ele acredita que estaria substituindo bem o Shrimp, ele diz: “Eu acredito que sim. Todo mundo sabe que eu e o Shrimp tínhamos uma relação saudável. Não é como se a gente se odiasse nem nada… Eu gosto dele e ele gosta de mim. Eu acho que foi uma adição muito legal para o Flamengo e eu senti bastante o carinho dos torcedores.”

Com o 2 a 0 na primeira semana da competição o Flamengo voltou ao “spotlight” dos espectadores. Ranger comenta um pouco sobre este favoritismo do FLA: “Eu acho que pelo nível induvial dos jogadores eu já colocaria o Flamengo em um top 3 no início do campeonato. Claro que temos um caminho longo para percorrer e que entrosamento é a coisa mais forte no League of Legends. Precisamos trabalhar bastante e temos consciência disso. A nossa evolução vai acontecer. Torcedor, pode ficar tranquilo que iremos melhorar muito, nosso time está se acertando com as mesmas ideias, tomando o mesmo rumo, então, só tende a melhorar.”

Para finalizar, o jogador voltou a mencionar sobre a torcida do Flamengo: “O apoio tem sido sensacional. Ainda mais depois que ganhamos da paiN [risadas]. A repercussão está sendo muito positiva mas temos ciência que se vacilarmos eles irão cobrar sem dó.” O jogador logo depois volta a falar sobre a importância de um trabalho constante durante todo o split e que este seria o “CBLOL mais disputado de todos os tempos, mas sem meme desta vez,” contou.

Leia também: Tinowns: “Não mostramos nem 50% do que podemos fazer