Essa é fofinha, mas não é a bola de neve que procuramos…  (Foto: Reprodução/Blizzard)

Não, não é exatamente sobre a Mei que é este artigo. Nem sobre Nepal. Ou talvez sobre Nepal, caso você decida aplicar a estratégia por lá. E, definitivamente, não é sobre a levitante bola de neve à venda na Gear Store da Blizzard por alguns bons dólares. Efeito Bola de neve é, na verdade, o ato de gerar vantagem a partir da vantagem gerada. Confuso? Confusa? Então, partiu entender!

Advindo do termo em inglês Snowball Effect, a estratégia consiste em medir corretamente o ritmo do jogo, quem está ganhando a luta e, a partir disso, tomar decisões focadas em expandir tal vantagem ao invés de pensar somente no objetivo imediato. Para gerar tal efeito, é importante que haja pensamento no futuro, após o ponto ou objetivo em questão. Qual a situação da próxima luta? Quem voltará para o combate primeiro? Temos habilidades suficientes para manter a carga em movimento e conquistar novos territórios ou é melhor esperarmos juntos no vagão?

Todas estas são questões essenciais para manter o efeito dominó progredindo. Caso contrário, o caldo pode azedar e seu time receberá um golpe sem estar preparado, perdendo larga vantagem e dificultando os próximos passos rumo ao objetivo final.
Finalmente, para entender o conceito de efeito bola de neve, é essencial pensar em habilidades supremas como a única economia dentro do Overwatch. Ou seja: A boa administração de tais recursos é crucial para a vitória, não sendo raros casos no quais a equipe ganha a luta mas, ainda assim, perde o ritmo da partida e eventualmente vê seu barco afundando.

Genji rolezeiro, chegou com suprema no último ponto e já mandou aquele ‘E aí, vamo fechar?’ (Foto: Reprodução/Blizzard)

Como gerar o Efeito Snowball:

A primeira opção, que, na verdade, está ligada à segunda maneira de se executar a tática, é gerar a dessincronização na volta dos adversários. Vantagem numérica dentro do Overwatch é extremamente importante, sendo que a grande maioria das lutas é vencida após garantir aquela linda primeira eliminação. Com isso em mente, se sua equipe conseguir abater os adversários com espaçamentos de tempo entre cada kill, a tendência é que eles renasçam também com estes espaçamentos. Tal situação coloca o time inimigo na famosa sinuca de bico: Ou eles partem pro combate ainda em desvantagem numérica, o que seria praticamente suicídio dentro do Overwatch competitivo; ou esperam a equipe toda renascer.

E é justamente nessa espera que o efeito bola de neve acontece, pois sua equipe terá mais tempo para adquirir posicionamentos e território inimigos – quando estiverem no ataque -, preparar a próxima luta e, claro, adquirir mais carga de habilidade suprema. Por isso, inclusive, que vimos D.Vas sendo “castigadas” quando perdem o MEKA: É tudo uma questão de enrolar o nascimento completo da equipe adversária e ganhar tempo com isso! Portanto, nunca deixe de eliminar os adversários restantes quando obtiver vantagem numérica e, se possível, faça isso de maneira a dessincronizar o respawn deles!

Na sequência, falando de gerar supremas, eis a segunda metade do efeito dominó! Em mapas curtos, como os de Assalto – famigerados 2CP – é possível explicar com mais clareza. Suponha que sua equipe eliminou todos os inimigos no primeiro objetivo de maneira espaçada e agora tem vantagem de ritmo. Com certeza algum combo já estará disponível após a luta ou será carregado em meio à briga no segundo objetivo. Obviamente, seu inimigo estará em desvantagem e, então, é só soltar aquele combo maroto e capturar o objetivo final.

Perceba como a vantagem inicial nas eliminações coordenadas te possibilita não só a frente na questão de ults como também impossibilita a estruturação decente da defesa do adversário, que fica muito mais susceptível a errar e ceder o ponto. Eis o efeito bola de neve.

Já para o restante dos mapas, é importante ter em mente que, caso queira um mapa perfeito, o gerenciamento de supremas precisa estar em dia – para que não falte recurso em momento algum – e a eliminação da equipe inimiga precisar ser coordenada a fim de capitalizar terrenos mais avançados, posicionamentos melhores e negar este mesmo território ao adversário.

Finalmente, é importante lembrar que gerenciamento de supremas, aqui, significa gastar o necessário para ganhar a luta e iniciar combates favoráveis ao gasto que sua equipe tem em mente. Não adianta iniciar com transcendência, por exemplo, se não houver controle ou pressão de seu time, pois o inimigo simplesmente sairá do combate sem gastar nada. Porém, iniciar com transcendência após já ter sido agressivo e chamado a atenção do adversário, fazendo-o comprar a luta, pode ser interessante. Em geral, a regra é gastar no máximo 2 ou 3 supremas por luta, para que sua equipe possua as restantes no próximo confronto.

Aperte Tab! A informação de quais supremas seu time possui é essencial para planejar uma luta! (Foto: Reprodução/GameHall Network)

Como parar o Efeito Snowball:

A primeira maneira é diminuir a vantagem que seu oponente pode ganhar após uma luta. Como fazer isso? Resete. Percebeu que a luta não vai dar futuro, já virou aquela várzea, tá em um 3 contra 6 sem supremas pro seu lado, seu Genji god morreu? Pule do mapa e volte para a base o quanto antes. Isso diminui o tempo de espera para reagrupar sua equipe e faz com que seu adversário não carregue tanta suprema. Claro que a decisão de resetar ou não depende de muitos fatores que tomariam muitos artigos para serem cobertos, porém em algum momento seu time terá que saber se vai ou fica.

E, claro, caso perceba que a questão já atinge o nível de “Ferrou tudo, eles têm muito mais supremas do que nós“, promova um luta seca! Não gaste nada. Se estiver na defesa, procure contestar o objetivo o máximo possível. Faça o adversário acreditar que você está realmente está se engajando em uma briga e que a qualquer momento usará alguma suprema. Entretanto, não use. Force as supremas do inimigo na base da agressividade e diminua a vantagem do oponente dessa forma.

Cuidado, porém, para não ser muito inocente e dar na cara que será uma luta sem futuro. Além disso, procure não perder aliados fora de posição antes de forçar recursos do outro time, pois, nesse caso, o tiro sai pela culatra e a vantagem adversária aumentará ainda mais.

Uma boa opção é utilizar a Valquíria da Mercy, por exemplo, aumentando o dano de todos e mantendo sua equipe viva para que seus aliados carreguem supremas o quanto antes.
E, claro, se passar o rolo compressor mesmo sem supremas, a situação estará, no mínimo, equivalente, e sua equipe respirará mais aliviada.

Mesmo sem supremas, ainda é possível ganhar uma luta em um bom atordoamento de Brigitte, por exemplo! (Foto: Reprodução/Blizzard)

Por fim, é possível dizer que, mais do que conseguir gerar o efeito bola de neve a todo momento, grandes equipes conseguem se adaptar e reagir a ele na maioria dos casos, a partir de noção de vantagem e desvantagem, ritmo de jogo e o momento exato de gastar algo e/ou não gastar. É literalmente uma economia. Seu time prefere comprar uma TV agora ou duas na Black Friday? Talvez, se decidir comprar neste exato momento, não haja dinheiro para a TV final nem tempo para juntar essa grana, então fique esperto!

Não se esqueça de acompanhar a teoria na prática assistindo à Overwatch Contenders, toda quinta e sábado a partir das 19h no Canal Oficial em Português! Um grande abraço a todos e nos vemos na semana que vem! :D

Veja também: Overwatch Contenders América do Sul – Tudo que precisa saber!