A derrota por 2 a 0 para a Red Canids no último sábado (24) não foi a estreia que o novo suporte do CNB eSports Club, o dinamarquês Benjamin “Visdom” Larsen esperava. Apesar de até tentar surpreender com um pick de Sion, Visdom não foi capaz de evitar a quarta derrota seguida na competição, o que igualou a pior campanha da história da organização, que ocorreu no 1º split de 2016.

Em entrevista ao Mais e-Sports, Visdom revelou que seu contrato com o CNB só vai até o final deste split e que só depois disso ele decidirá se continua ou não no Brasil. Além disso, suporte também disse que não conhecia muito o cenário brasileiro, mas pelo que viu até o momento, os jogadores locais são bons mecanicamente e no macro play.

“Eu não conhecia muito do cenário antes de vir para cá, eu era mais focado na LCK e na LCS EU para aprender de lá, mas até o momento tenho visto jogadores bons mecanicamente e no macro play também. Além disso, estar no Brasil tem sido muito bom até agora, gostei dos jogadores e da staff do CNB,” conta Visdom.

Já em relação ao seu contrato, o suporte dinamarquês disse que seu compromisso com o CNB vai até o final do split e só então decidirá se continua ou não no Brasil. No entanto, o ex-jogador da G2 Esports contou um pouco mais de como recebeu o convite para tentar ajudar os blumers a sair da crise.

“O contato foi bem recente, eles não estavam bem na competição e acharam que precisavam de uma mudança. Então eles foram atrás de mim acreditando que eu poderia trazer isso e eu espero poder ajudar o time a sair dessa”, revela o jogador.

Quando questionado sobre em que ele poderia ajudar a equipe, o reforço do CNB afirmou que espera organizar mais o time em relação ao shotcalling e nas rotações pelo mapa, mas  a barreira de linguagem torna as coisas mais difíceis, o que segundo ele ficou claro no confronto contra a Red Canids.

Visdom ainda disse que o atual momento que o CNB vem atravessando pode acontecer com qualquer um, mas que espera poder ajudar a equipe se reerguer.

“Isso pode acontecer com qualquer um (estar lutando contra o rebaixamento). Podem existir muitos problemas pessoais ou individuais que acabam fazendo com que vencer se torne mais difícil como um time e a moral da equipe acaba caindo com isso. E quando a moral cai, é difícil consertar isso, eu não culpo eles, isso pode acontecer com qualquer um e eu espero que eu possa ajudar a equipe para que ela possa se reerguer”, finaliza o suporte.