Durante o último confronto da Melhor de 5 entre CBLOL e LNN pela semifinal do Rift Rivals, um bug acabou ocasionando um pause bem longo na transmissão e graças ao Chronobreak, o jogo pode ter a sua continuidade.

Em épocas diferentes, o bug no computador de Felipe “Yang” Zhao resultaria em um remake na partida. Ou seja, a partida começaria novamente do 0! O jogo já estava bem encaminhado para a Keyd Stars que após uma partida épica de Murilo “Takeshi” Alves, estava colocando o Brasil na final do Rift Rivals. Um remake poderia trazer um resultado totalmente diferente para esta semifinal.

Sabendo disso, a Riot Games utilizou o Chronobreak, uma ferramenta que tem o mesmo nome que o Ultimate do Ekko e faz algo bem semelhante. O Chronobreak literalmente “volta no tempo” e faz uma partida voltar segundos ou até minutos necessários antes da da ocorrência do bug.

No jogo da Keyd Stars contra a Lyon Gaming, a partida estava com 40 minutos e 47 segundos de jogo e o Chronobreak rebobinou a partida para os 40 minutos e 41 segundos. Você pode ver o replay todo da partida abaixo:

A ferramente já foi utilizada em outras competições como a LCS NA:

No Mundial da Season 2, tivemos um caso bem similar na partida entre CLG.eu e World Elite onde as equipes precisaram de realizar o “remake” diversas vezes deixando todos extremamente exaustos durante a MD5. A World elite saiu com a vitória, mas a comunidade reclamou bastante pois em alguns dos jogos que aconteceram os remakes, a CLG.eu tinha bastante vantagem.

A mais nova ferramenta da Riot Games é ótima para o cenário competitivo e previne que um bug não possa estragar todo o espetáculo e acabar prejudicando um time.