Depois de quase um ano, a parceria entre a Brave e-Sports e o Clubo do Remo chegou ao fim. O fim do acordo entre as duas partes se deve à insatisfação da Brave depois da mudança de diretoria no Clube do Remo, onde de acordo com o CEO da Brave, Tiago “Thongar” Sans, muita coisa já acordada antes não foi colocada em prática pela nova gestão.

Segundo Thongar, a Remo Brave foi alvo de campanha dos dois candidatos a eleição no Clube do Remo, André Cavalcante e Manuel Ribeiro. E enquanto um candidato (André) tinha planos para a equipe de e-sport, o outro (Manuel) mal sabia do que se tratava a Remo Brave.

“O André chegou a ir na TV e falar dos planos que tinha pra gente caso fosse eleito. Já o Manuel, em entrevista a radio clube do Pará, quando foi questionado sobre os planos para a Remo Brave, ele respondeu: “o que é isso?”. A eleição era certa de ser vencida pelo André, mas no meio do caminho, através de manobras políticas que incluiram o adiamento da eleição, Manuel venceu”, afirma Thongar.

O CEO da Brave e-Sports ainda revelou que o diretor de marketing do Clube do Remo, André Margalho, foi muito contestado menos de um mês de ter assumido o cargo e quase saiu da gestão. Com isso, tudo que a gestão anterior tinha acordado com eles, não acabou sendo cumprido, mas com o fim da parceria, nada muda no dia a dia da equipe.

“Os planos que a gestão anterior ia por em prática incluíam uma gaming house. Além de outras coisas que também ficaram no limbo. A nossa administração sempre foi independente do Remo, os trabalhos vão seguir normalmente e podemos anunciar isso com a certeza de não haver o menor risco de interferência no dia a dia de nosso centro de treinamento”, conta o CEO.