A Riot Brasil emitiu uma nota no início do segundo split do CBLOL dizendo que iria seguir o exemplo das demais regiões e iria acabar com as equipes irmãs na elite do campeonato brasileiro.
Equipes irmãs é o termo usado para falar sobre equipes da mesma associação/empresa. No Brasil as mais famosas são a INTZ, original e red, Kabum, com a Orange e Black. Uma que se separou foi a Keyd Warrios, comprada pela G3X.

Veja: Pacotes paiN Gaming já estão na loja!

Leia: Mylon – De Volta ao Topo do Topo

O caminho mais provável para respeitar essa ordem é que essas equipes “irmãs”, INTZ Red e Kabum Black, sejam vendidas ou acabem. Entretanto essas duas associações vivem momentos bem diferentes no campeonato: A INTZ vive seu melhor momento até hoje, uma equipe que teve a chance de ser campeã brasileira e outra terminando o campeonato em sexto lugar e mesmo indo para as partidas de renegação tem o caminho mais fácil em relação às outras duas.
Se desfazer de uma pode ser considerado prejuízo, abrindo a exceção de um comprador em potencial. Do outro lado tem a organização Kabum vivendo seu pior momento: As duas equipes terminaram nas últimas posições e terão que enfrentar a série de renegação podendo cair para o Circuito Desafiante (no caso da Orange é a segunda vez que ela termina entre as três últimas posições).
A primeira vista a decisão de só uma equipe por associação pode parecer enfraquecer o cenário brasileiro, pois impossibilita que organizações grandes tenham dois times. Contudo, dará chances a duas novas equipes( ou duas novas administrações) para mostrarem o quanto são competitivas, além do fato que o Circuito Desafiante pode ficar mais competitivo se algumas das equipes manterem suas line-up B no mesmo para auxiliar no treinamento. As respostas de como ficarão os times reservas, ou a possibilidade de união das Kabum’s devido ao mau desempenho da organização, só serão definidas após as partidas de renegação( dias 28, 29, 30).