Vozes do CS:GO é uma série que traz ao leitor do Mais Esports a história de vida dos narradores e comentaristas do Counter-StrikeGlobal Offensive. Além de falar sobre sua vida pessoal e suas trajetórias profissionais, os casters conversam um pouco sobre o cenário de CS:GO e dão dicas para quem quer seguir a carreira profissional na área.

O terceiro personagem de nossa série de entrevistas é o narrador Pablo “xrm” Oliveira. Xrm falou sobre seus gostos pessoais, sua entrada no cenário, além de falar sobre seus ídolos e dar conselhos aos leitores.

Infância

Pablo de Freitas Guimarães Oliveira, mais conhecido como xrm, tem 27 anos e é radialista formado pela Belas Artes (Rádio e TV). Nasceu e cresceu na capital paulista. Desde a infância, xrm sempre gostou muito de esportes e chegou a praticar tênis, natação, luta, e futebol. Cacá Fernando, narrador da Band Sports, é tio de Pablo e uma referência para o caster, apesar dessa profissão não ser seu objetivo nessa época de sua vida. “Eu sonhava em ser narrador de futebol quando criança, mas era um sonho de criança”, afirmou xrm.

Xrm durante a infância com seu avô. Foto: Arquivo Pessoal

Hobbies

Pablo se considera uma pessoa caseira, mas gosta de sair com os amigos. No conforto do lar, xrm ou está jogando CS:GO ou está jogando FIFA com amigos. Além disso, Pablo gosta de filmes, séries e esportes. Apesar de ser um apaixonado por desportos tradicionais, Pablo afirma que vai se está se afastando do esporte por conta da falta de tempo. Quando o tempo aparece, UFC e Corinthians são presenças garantidas em sua TV. Pablo também gosta de praticar esportes e atualmente voltou a praticar jiu-jitsu e está na faixa roxa da arte marcial.

Sempre que pode, o corinthiano xrm assiste aos jogos do seu clube de coração. Foto: Arquivo Pessoal

O inicio de xrm no competitivo

Counter-Strike é um jogo que sempre acompanhou a vida do caster. Apesar se afastar um pouco do jogo após sua formatura no Ensino Médio e a faculdade, Pablo tem uma longa história com o game, que vem desde a versão 1.5. No lançamento do CS:GOxrm começou a jogar o match making gringo de forma casual e não acompanhava o cenário competitivo. Nessa época, junto com o prosseguimento do seu curso de Rádio e TV, a vontade de trabalhar com esportes em geral aumentou. Após algumas especializações, como palestras de jornalismo esportivo e curso de locução, o caster viu o sonho de criança, que antes era distante, ficar mais próximo. Seu primeiro trabalho na área foi na Esquadrão Esportes, uma web rádio onde chegou a narrar uma partida válida pela UEFA Champions League.

Ainda na faculdade, o narrador ainda jogava CS sozinho no match making. Até que as amizades foram se desenvolvendo e Kosak, Menegah e Cossada o incentivaram a acompanhar as partidas no competitivo. Ao assistir Gabriel “FalleN” Toledo por volta de 2015 e ver a conquista do título mundial da equipe, Pablo decidiu focar em trabalhar com o game, pois já tentara ser narrador no futebol e no jiu-jitsu e percebeu a dificuldade das modalidades. Xrm viu a oportunidade de trabalhar com o CS:GO e fez um canal no YouTube, o CSTV, junto com Dudu Jarra, que noticiava o cenário com notícias traduzidas da HLTV.

Durante a faculdade de Rádio e TV, xrm começou a jogar o CS:GO. Foto: Arquivo Pessoal

Além dos vídeos de notícias, o canal chegou a produzir outros conteúdos: melhores momentos de partidas narradas por Bernando “BiDa” Moura. Ao entrar em contado com BiDa para pedir autorização para usar seu conteúdo, Bernardo viu os demais vídeos e entrou em contato, pois tinha achado o conteúdo bom e que avaliava ser boa uma parceria com a Games Academy. Em uma reunião para tratar da colaboração, Pablo aproveitou para pedir uma oportunidade para narração. BiDa passou então o contato de Ricardo “qeP” Fugi para um teste de duas semanas. Ao final do teste, Pablo narrou sua primeira partida com Giovanni “gio” Deniz.

Os perrengues no começo da carreira de qualquer um é inevitável e no caso de xrm não é diferente. O início foi difícil, já que a narração era feita para 20 pessoas e quando era sucesso, 200 pessoas estavam assistindo. Além disso, Pablo chegou a narrar mais de um ano de graça. Segundo xrm, muitas empresas também não tinham o conhecimento do que um narrador precisava para fazer um bom trabalho e com isso a estrutura não era das melhores.

Eventos marcantes e futuro na carreira

Os campeonatos que marcaram a carreira de xrm como narrador, foram a ESL One Belo Horizonte, onde narrou in loco o torneio internacional e a final da ESL Pro League Season 6, onde bateu seu recorde de telespectadores simultâneos com mais de 100 mil pessoas ao vivo e transmissão do canal SporTV. Além de caster, xrm trabalha como organizador de evento da Gamers Club e nessa função, seu momento de mais felicidade foi a organização da Gamers Club Masters: um torneio realizado sem verba, de qualidade e que teve aprovação da comunidade.

Xrm durante transmissão. Foto: Facebook/Pablo “xrm” Oliveira

O passado de Pablo já foi descrito e quanto ao futuro? A ideia do caster é seguir na mesma pegada de narração e organização de evento: ajudar a comunidade a crescer, sempre melhorar o formato da Liga Pro da Gamers Club. Se pudesse escolher entre as duas funções, xrm escolheria a de ser só narrador, assim, segundo o caster, teria mais tempo para si, focaria mais em melhorar sua narração e estudar as partidas para ter um melhor desempenho nas transmissões. No fim, o futuro para Pablo é ganhar a vida com o CS:GO.

CS a longo prazo e a importância do esporte eletrônico

Para xrm, o Counter-Strike: Global Offensive ainda tem uma longa vida. Segundo ele, o game tem algo diferente dos demais do cenário competitivo: surgiu no 1.6, caiu no Source e voltou com tudo com o Global Offensive. “Enquanto a nossa noção de jogo for ainda sentar no computador com teclado e mouse ou no console com o controle de videogame […] o CS vai sobreviver.”

O esporte eletrônico é tudo na vida de xrm, apesar da frase batida, como ele próprio afirmou. Antes de ser narrador, Pablo passava três horas no trânsito, entre ida e volta, todos os dias para ir ao trabalho e acordava cada manhã se perguntando: “o que eu estou fazendo da minha vida? Quais são meus planos para o futuro?” XRM não tinha uma perspectiva de futuro, já que não era feliz no antigo trabalho. O esporte eletrônico lhe deu um sentimento de realização pessoal e profissional que não o acompanhava anteriormente.

Expectativas para o CS em 2019 e sobre narrar outros jogos

As expectativas para o CS em 2019 são boas para xrm. Além da volta de uma escalação 100% brasileira da MIBR, há também os quatro times que disputaram o Minor. Pablo prevê outros times se destacando no cenário internacional e podendo chegar ao sonhado Major de CS:GO. Não só dentro do game existem as expectativas e elas estão nas empresas que fazem o cenário acontecer. Pablo quer uma comunicação saudável entre elas, mesmo que sejam concorrentes, para poder não saturar o cenário.

Xrm já narrou FIFA e se tivesse a oportunidade narraria novamente, mas segundo ele próprio, o foco é somente o Counter-Strike nesse momento. Para fora do esporte eletrônico, o caster pretende ainda narrar algum esporte tradicional que goste, seja ele futebol, tênis ou luta.

Ídolos e conselhos para futuros casters

Como estudante de Rádio e TV, xrm tem como ídolo nas narrações diversas personalidades do esporte nacional, entre eles: Milton Leite e Galvão Bueno. No esport, Pablo tem admiração por Bernardo “BiDa” Moura e Octavio Neto, este último devido ao seu passado nos esportes tradicionais e ao profissionalismo com o qual entrou no cenário de esporte eletrônico.

Xrm sugeriu aos leitores do Mais Esports que querem tornar-se narradores ou comentaristas que façam algo por conta própria e que não espere ser convidado para nada. Diversos nomes do cenário começaram dessa forma. Segundo o narrador, o importante é começar a fazer algo e assim a pessoa aparece de alguma forma e podem surgir trabalhos no futuro com o conhecimento técnico e pessoal adquirido nessa fase.

*Colaborou Victor Hugo Porto