Na tarde desta última quarta-feira (22), o diretor de Overwatch e vice-presidente da Blizzard, Jeff Kaplan, deu uma palestra inspiradora no DICE Summit 2017 – evento sobre design, inovação, comunicação e entretenimento – falando sobre a criação do Overwatch.

De acordo com Kaplan, ele e sua equipe estavam envolvidos num projeto intitulado Titan que, por razões que não citadas, acabou não dando certo. Porém, já com algumas ideias engatilhadas a partir daí, o esboço de Overwatch começou a surgir.

Jeff Kaplan

O foco era criar um game pós-apocalíptico que abordasse uma visão otimista do futuro, diferente de todos os outros games com essa temática. Além disso, um ponto que foi ressaltado foi o de manter a fantasia em evidência, fugindo de uma criação realista. A partir daí, Kaplan e sua equipe buscaram localidades famosas ao redor do mundo para transformá-las em mapas do Overwatch, numa versão futurista e improvável.

Buscando inspiração em outros famosos títulos da Blizzard, foram desenvolvendo uma grande variedade de cores e tons para que cada mapa do game tivesse características visualmente marcantes.

Uma informação bastante engraçada mencionada na palestra é que o mapa Dorado era pra ter sido inspirado numa cidade mexicana. Porém, por uma confusão no momento da pesquisa, a equipe acabou se baseando numa foto de uma cidade italiana, pensando ser uma cidade mexicana.

Confusões a parte, Kaplan finalizou a palestra falando sobre todo o empenho na criação dos personagens para que estes fossem únicos e facilmente identificáveis dentro do jogo, principalmente durante as lutas. Além disso, a equipe se preocupou em desenvolver identidades das mais variadas possíveis, tanto através de características físicas quanto de personalidade.

O que pudemos notar é que a ideia da Blizzard para Overwatch é abraçar a diversidade cultural e de gênero, trazendo cada vez mais personagens fora do estereótipo da sociedade, permitindo que os jogadores ao redor do mundo possam se sentir representados de alguma forma.