Durante a coletiva de imprensa da KaBuM e-Sports após a vitória contra a Vivo Keyd na grande final, o jogador Alexandre “Titan” Lima comentou um pouco sobre o título e a sua preparação.

A chegada no CBLOL

“A gente entrou com a mentalidade de não cair. Mas nós tínhamos uma meta que era se manter no CBLOL e conseguir ir para os playoffs. Viemos da Challenger Series bem motivamos e quando o Dynquedo entrou, quando o Ranger entrou isso deu um up a mais no time. Conseguimos trabalhar muito mais que nós queríamos. Quando o Coach começou a trabalhar com eles nós vimos a importância deles dentro do jogo para todos nós,” contou o jogador.

Titan explicou também que a KaBuM precisou trabalhar muito com erros básicos que eram punidos pelas equipes do CBLOL. Antes de jogar o CBLOL 2018, a KaBuM disputou a Superliga ABCDE sem o jungler Filipe “Ranger” Brombilla. Na ocasião, o time ficou em terceiro no grupo B (atrás de INTZ e Team One) e não conseguiu se classificar para os playoffs.

O ADC contou que o treinador da equipe, Jean-François “Nuddle” Caron, precisou trabalhar bastante para consertar os erros que as equipes do CBLOL puniam com facilidade nas partidas contra a KaBuM.

A Campanha da KaBuM

A KaBuM foi emplacando uma série de vitórias no CBLOL. Na primeira semana, o time mostrou autoridade contra a CNB, logo depois garantiu um 2-1 contra a paiN. A KaBuM só ganhou devida atenção ao vencer a RED Canids na terceira rodada do CBLOL, um resultado inesperado para muitos espectadores.

O time chegou na última semana do CBLOL precisando de vencer a série contra a INTZ para se garantir na final da competição. A KaBuM venceu a INTZ e conseguiu a classificação para a final: “Eu não consigo acreditar até agora, acho que ninguém consegue… Acho que a ficha só caiu depois que a gente conseguiu ganhar da INTZ. Não acreditamos muito que estávamos na final ainda, trabalhamos muito para isso e estávamos muito ansiosos. Não tenho muito o que falar, fomos campeões e eu não consigo acreditar ainda.

“Fomos trabalhando bem para não cometer os mesmos erros da Challenger Series. Quando subimos para o CBLOL nós eramos muito punidos. O nosso Coach trabalhou muito em cima disso pois antes nós cometíamos erros básicos que eram punidos aqui, eram “básicos do básico” e não algo que você poderia abusar deles. Foi um dos fatores que mais nos fez crescer como um todo.

Preparação do Titan para a final

“Eu nunca tinha sofrido uma pressão tão grande em cima de mim. Quando ganhamos da INTZ tivemos um mês de preparação. Eu estava tranquilo até a última semana. Quando chegou a última semana agora, eu já não conseguia dormir direito. Eu estava muito ansioso para jogar e essa pressão caia sobre mim sempre. Quem moderou bastante isso foi o Jean,” contou Titan.

Na hora do jogo, ficou claro para todos que o nervosismo de Titan não estava presente no palco. O jogador tomava conta do jogo e ganhava a torcida: “Eu gostei muito de jogar com a pressão da torcida. Eu acho que isso me fez dar um up a mais. Quando eu levantava, muita gente gritava meu nome e isso me fez me sentir bem. Foi algo que eu nunca senti, foi muito bom e eu quero sentir novamente.

Jogar o MSI

Titan comentou sobre ir para o MSI com apenas 17 anos: “Eu acho que não importa a idade, isso para mim são apenas números. Eu entendi que quando você realmente consegue crescer é quando você começa a amar a sua própria presença. Estudar mais isso, buscar o melhor de si. É algo que eu aprendi muito quando cheguei aqui. Eu era muito sem postura, muito indisciplinado e eu aprendi a ser mais profissional no que eu faço.

“Eu preciso focar e pensar no que vai acontecer. Vamos continuar manter o nosso ritmo e estilo de treino. Vamos mudar um pouco, vamos aprender muito lá fora. Eu quero ter essa experiência. É um sonho que eu vou realizar realmente e quando acontecer eu posso te dar uma resposta de como eu vou estar mentalmente,” completou o ADC

Coletiva completa na íntegra

Leia também: Nuddle, a engrenagem que faltava na KaBuM
Leia também: Titan, o menino-prodígio da KaBuM