Invicta no 1º Split do CBLOL 2017 até o momento, nem mesmo os jogadores e a comissão técnica da Red Canids esperavam por um início de campeonato tão avassalador. Em entrevista ao Mais e-Sports logo após a tranquila vitória sobre o CNB no último sábado (11), o coach da Red, o holandês Fayan “Gevous” Pertijs, ainda disse que sua equipe tem muito o que melhorar.

Para Gevous, a explicação para um início de CBLOL tão bom é o fato da Red Canids ter em sua line-up jogadores com uma ótima mentalidade e que estão se entendendo muito bem não só nos treinos, mas também na convivência dentro da GH.

“Eu acho que nós temos uma line-up muito sólida. Todos os jogadores estão focados em melhorar, todos estão mostrando uma ótima mentalidade durante os jogos e todos têm muito conhecimento do jogo. Eu também tenho muito conhecimento no League of Legends e com isso estamos nos entendendo muito bem nos treinos. Ainda temos muito espaço para melhorar, mas até agora temos feito um bom papel na competição”, afirma Gevous.

O treinador ainda disse acreditar que a Red Canids é o time com o melhor macro play do Brasil e que nenhuma outra equipe possa superá-los no macro game. Gevous ainda revelou que a INTZ é uma das poucas equipes que consegue bater de frente com a Red nos treinos neste ponto e que junto da paiN Gaming, os intrépidos são os principais adversários de sua equipe no CBLOL.

Já em relação a sua adaptação no Brasil, o coach afirmou ter aprendido algumas palavras em português e também disse que a barreira do idioma é o único problema que vem enfrentando no país.

“É a minha primeira vez no Brasil, eu nunca estive aqui antes. Estou me adaptando e o único problema que eu estou tendo aqui é a barreira do idioma. Quando ficou acertado de vir para o Brasil, eu achei que isso não seria um problema, já que falaríamos em inglês, mas é muito difícil manter tudo em sincronia com duas línguas sendo faladas na gaming house”, revela Pertijs.

Quando questionado sobre os fãs brasileiros, Gevous contou que ainda não teve muito contato com eles, mas que já ficou sabendo que no Brasil as pessoas são realmente aficcionadas pelo e-sport.

“Nos vídeos que eu vi de eventos presenciais aqui no Brasil, deu pra ver o quanto os brasileiros são apaixonados pelo League of Legends e o quanto apoiam suas equipes. Eu amei ver isso e eu amo todos eles”, disse o treinador.