Shrimp, caçador do Flamengo eSports, foi peça-chave para a vitória sobre a CNB (Foto: Divulgação/Riot Games Brasil)

No último sábado (25), a Escalada do CBLoL 2018 teve sua penúltima etapa, em que o confronto da Grande Final foi definido. Lee “Shrimp” Byeong-hoon, jungler do Flamengo eSports, foi a engrenagem de seu time no 3 a 0 contra o CNB, em que a vaga na série contra a KaBuM, em Porto Alegre, foi conquistada.

Após os jogos, o Mais e-Sports entrevistou pela primeira vez o jogador coreano, que comentou sobre o cenário brasileiro de League of Legends, e dividiu suas expectativas para a Final. Confira:

O que você está achando do cenário brasileiro?

Shrimp: Aqui no Brasil, eles gostam muito de lutar, o que causa abates e lutas muito diferentes. Foi um pouco difícil me adaptar quando cheguei aqui, porque o estilo divergia muito de quando eu estava nos Estados Unidos. Agora que eu me adaptei, estou vendo as diferenças disso com mais facilidade, e quando eles tentam lutar, conseguimos reagir bem. Como construímos o treino vendo como eles jogam e traçando como devemos fazer, é mais fácil responder de uma boa forma quando eles nos atacam. O jogo de hoje [contra o CNB] foi um bom exemplo disso, e quero ter mais jogos parecidos daqui para frente.

Vocês estão na final e vão jogar contra a KaBuM, que tem um jungler destaque no Brasil, o Ranger. Como será jogar contra ele?

Shrimp: Eu vi o Ranger jogando e ele parece ser muito bom. Para mim, a maior dificuldade de jogar contra eles é porque o coach deles [Hiro] é coreano — quando eu vejo os picks e bans deles e o tipo de jogada que esse time faz, parece que eles fazem do jeito coreano. As escolhas do Ranger para a jungle tendem a ter o tempo lento, que vão muito pro tardar do jogo, e eu tenho muitos picks pra counterar esses campeões. Por isso, eu tenho capacidade o suficiente para, de certa forma, anular esses campeões.

Com base nisso, o que você espera da final contra a KaBuM?

Shrimp: Em primeiro lugar, estou com muita expectativa para a final presencial em Porto Alegre. No passado, quando eu estava na Dignitas, jogávamos as decisões de terceiro lugar pra cima em lugares muito grandes. Fomos até o local da competição presencial em 2017, e foi a primeira vez que tive a experiência de jogar em meio à torcida, em meio a tantas pessoas. Por ter sido a primeira vez que eu tive essa experiência, eu fiquei nervoso e tremi bastante. Como essa é a minha segunda experiência nisso, eu penso que se eu não ficar nervoso e aproveitar melhor o tempo, conseguiremos vencer.

A Grande Final do CBLoL 2018 acontecerá no dia 8 de setembro, e decidirá quem será o representante brasileiro na fase de entrada do Mundial 2018. Confira a cobertura completa do CBLoL no Mais e-Sports!