De acordo com o site sul-coreano Inven, no dia 12 de junho de 2017, Lee Dong Sub e outros 9 legisladores propuseram o projeto de lei que visa punir os elojobers, transformando o ato em crime.

O projeto de lei coloca uma prisão de até 2 anos e uma multa de 18 mil dólares para os infratores.”Os hacks ilegais, os servidores privados ilegais e os elojobers profissionais são os três principais fatores que afligem os jogos e os esportes eletrônicos,” contou o político. “Agora vamos proteger a indústria do jogo e o sistema de e-sport por meio da alteração da lei.”

League of Legends, Starcraft e Overwatch são alguns dos jogos mais jogados na Coréia do Sul. O país é visto como o berço do Esporte eletrônico.

Em 2016, um site americano noticiou que até mesmo Rioters estavam envolvidos no esquema de Elojob na Coreia do Sul para que os Elojobers não fossem punidos pelos atos ilegais dentro do jogo. Na época, um ex-elojober fez um desabafo contando sobre toda a sua história e revelou detalhes do mundo do elojob no país.

No Brasil, vários jogadores profissionais já receberam punição pelo ato. André “esA” Pavezzi e Diogo “Shini” Rogê protagonizam alguns dos casos mais famosos. Neste ano, o top laner da T Show Renan “Nyu” Augusto foi banido por elojob não podendo atuar pela equipe no CBLOL.