Após a volta talvez-não-tão triunfal de Torbjörn e seu rework, mãe Blizzard nos agraciou com mais mudanças no nosso Overwatchzinho de cada dia! Além da entrada de Ashe (e, obviamente, Bob) no elenco do jogo, os alvos da vez foram: Mercy, Reaper, Roadhog e Symmetra. Com isso, eis uma análise de como as novidades podem afetar os heróis mencionados, suas taxas de uso no competitivo profissional e até mesmo aquela ranqueada marota de todo dia!

É PRA GLORIFICAR DE PÉ! (Foto: Reprodução/Blizzard)

• Mercy

Sua suprema, Valquíria, com 15% a menos de custo faz com que a possibilidade do time recuperar a desvantagem de supremas seja maior, justamente pois esta é uma das principais funções dessa ult. Além disso, seu raio de cura foi levemente aumentado durante o efeito da suprema, então segurar no peito aquele combo inimigo pode ser uma tarefa consideravelmente mais fácil. Aliás, até mesmo para iniciar batalhas, curando seus tanques a fim de dar espaço para eles permanecerem na linha de frente, essa mudança é extremamente bem-vinda!

Entretanto, dificilmente as novidades vão aumentar sua utilização geral, principalmente pela presença forte de GOATS e Ana nas composições do competitivo profissional. Ainda assim, em situações nas quais a doutora já era forte – como em composições de dois Snipers, por exemplo -, ela será melhor ainda.

Chega pra @ e fala “Meu amor por você é maior que o estoque de escopetas do Reaper” que dá bom. (Foto: Reprodução/Blizzard)

• Reaper

Seu maior ponto forte sempre foi e sempre será a luta a curta distância, e essas mudanças fortalecem aquela fungada mortal na nuca do inimigo. Com sua espingarda possuindo menos aleatoriedade na difusão das balas, ou seja, tendo uma consistência maior nos tiros, o trabalho do Ripão da massa – como é popularmente conhecido – será facilitado.

Além disso, com o roubo de vida aumentado de 20% para 30% do dano causado, a permanência do herói na linha frente será mais duradoura, fazendo até com que seus suportes possam se desligar um pouco mais do ceifador e prover cura a outro aliado.
Contra tanques em geral, principalmente em jogos mais descoordenados, seu potencial aumenta bem, pois será necessário um tempo ou foco maior para eliminá-lo. Porém, em situações competitivas, a grande inimiga das aparições mais frequentes do Reaper é a dificuldade de conseguir posicionamento adequado, o que é necessário para extrair o valor desejado do seu kit de habilidades.

Em geral, é fácil controlar o ceifador com um bom trabalho e rotação por parte dos tanques e com foco imediato para cima dele quando estiver fora de posição. Nestes casos, mesmo com o Passo das Sombras, uma reentrada na briga significaria eliminação certa, pouca utilidade e desvantagem numérica: tudo o que seu time não quer. Por isso, continuará forte em situações nas quais seu time precise de eliminações rápidas de pelo menos um alvo adversário e uma habilidade suprema para passar o rodo – como ataque e defesa de segundos pontos em mapas de Assalto, por exemplo.

Legenda: Tamo junto, Blizz! <3 (Foto: Reprodução/Blizzard)

Roadhog

Várias mudanças no gordinho! Primeiramente, seu gancho está mais responsivo, pune melhor quem é pescado e tem tempo de recarga relativamente menor. Essas já são notícias incríveis pros assíduos do porcão, porém não para por ai: A mesma melhoria na aleatoriedade da difusão que o Reaper teve, apareceu para o Roadhog, aumentando seu potencial de eliminação no abraço da morte.

E, por fim, sua suprema agora empurra os inimigos pra longe com maior rapidez, sendo mais interessante para expulsar alguém da sua frente do que para eliminar o alvo, pois a habilidade necessária para controlar o adversário na parede terá que ser maior, uma vez que transformar aquele inimigo em um integrante voador da Equipe Rocket será bem mais rápido a partir de agora.

Com isso, o Road fica na mesma situação do Reaper: Está melhor no que já fazia bem – composições com quatro tanques para tentativa de pegar alguém fora de posição, eventuais composições com Orisa para contestação do ponto e proteção da retaguarda enquanto mantém o dano ao escudo do inimigo etc -, porém não foi melhorado a ponto de ser escolhido em novos momentos ou ter um estilo de jogo baseado em si.
De qualquer maneira, você continuará ficando 300% pistola ao ser puxado do nada e eliminado como uma torre da Symmetra.

Nem assim alguém me escolhe… #Chateada (Foto: Reprodução/Blizzard)

Symmetra

Falando no demôn… na heroína, temos mudança pra rainha das webcams também! Embora pareça pouca coisa, seu raio principal engrossa 20% mais rápido, aumentando também o dano causado por ele. Isso transformará a Symmetra na nova Zarya? Nem a pau! Mas ajuda quem gosta de bugar a cabeça dos oponentes ao escolhê-la.

Em ambiente competitivo, a principal função da personagem é utilizar seu teleporte para possibilitar movimentações surpreendentes para um Bastion ou até mesmo para seu time inteiro, de maneira a cruzar um Choke point (ponto de encontro de ambos os times) com facilidade e realizar aquele famigerado ataque virado na Blitzkrieg alemã. Por conta disso, a mudança em seu Projetor de Fótons não impacta diretamente na sua possibilidade competitiva.

Porém, em partidas ranqueadas, a chance de internamente desejar que a Symm adversária bata o dedinho na quina da cama também aumentará 20% mais rápido.

Agora, sabendo o que esperar da atualização mais recente do Overwatch, é a hora de testar tudo dentro de jogo! E, claro, já começar a se preparar para a acompanhar a Overwatch Contenders América do Sul, o principal campeonato de OW da nossa região!
Todas as quintas e sábados, a partir do dia 22 de novembro às 19h (Horário de Brasília) poderemos acompanhar partidas absurdas no canal da Contenders SA, então não perca nada! Depois não vem falar que eu não avisei, hein? Abraço e até semana que vem! :D