A comunidade tupiniquim de Overwatch está com moral, isso porque a Blizzard confirmou que a segunda temporada da Overwatch League terá transmissão totalmente brasileira.

A partir do dia 14 de fevereiro, bastará acessar a Twitch oficial (https://www.twitch.tv/overwatchleague_br) para acompanhar todas as emoções da liga, que aumentou para 2019.

A começar pela premiação: antes, eram R$ 12 milhões em jogo, agora nada menos do que R$ 18 milhões. O número de times também cresceu: serão 20 equipes ao invés de 12. Por fim, uma temporada mais dinâmica com 28 partidas previstas.

“O número de usuários aqui no Brasil de Overwatch, inclusive em eventos presenciais como BGS e CCXP, só mostram que o público está bem conectado com o jogo”, analisou Daniel Kawano, gerente de relações públicas da Blizzard, em entrevista exclusiva ao Mais Esports.

“Esses indicadores ajudaram muito a gente a definir essa vinda da transmissão brasileira para a Overwatch League. Até olhando os números da Contenders, que teve um número expressivo no ano passado. O público gosta.”

A Blizzard, porém, não trabalha com uma projeção de audiência para essa transmissão brasileira de acordo com Kawano.

Mesmo sabendo que a só a decisão da Overwatch League foi vista por uma média de 861, 205 pessoas por minuto em todo o mundo, “não temos esses dados de quanto foi a audiência exata aqui no Brasil olhando só a transmissão principal”.

O show em si

Equipe de transmissão da OWL (Foto: Alicia Grucci)

Os fãs do cenário competitivo de Overwatch no Brasil já estão acostumados às vozes que estarão na transmissão da Overwatch League, afinal, a base vem da Contenders.

A equipe de casting será formada por Felipe “Tonello” Souza, Arthur “Vecet” Nogueira, Ana Paula “Ana Xisdê” Cardoso e Thauê Neves, além de Petar Neto e Guilherme “Demo” Ono.

Ana Xisdê já deixou claro qual é o objetivo desse time de peso. “A gente tem a missão de engajar esses espectadores e trazê-los para a nossa transmissão, tirando, assim, daquela que eles já estão acostumados.”

Além disso, é preciso atrair pessoas novas à audiência. Como? “Fazer mais conteúdo em torno do Overwatch, não só necessariamente em torno das competições – como Overwatch League ou Contenders. É trabalhar fora da transmissão para crescer ainda mais a audiência.”

Perguntado pela reportagem sobre o horário da Overwatch League, inicialmente previsto para às 22h (de Brasília) e que vai madrugada adentro, Thauê Neves se mostrou bem tranquilo quanto ao comprometimento dos fãs com a transmissão.

“O público se prepara para assistir ao jogo que deseja. Caso queira ver todos, também se prepara. A gente vai estar sempre pronto para entregar o melhor da transmissão, com o mesmo humor, a mesma vontade e vibe.”

Kawano, contudo, reforçou que esse horário não será sempre assim. “As partidas de domingo, por exemplo, vão começar às 16h – bem no horário clássico do futebol. Eles vão atender da melhor forma possível todas as faixas de fuso-horário.”

A princípio, a equipe tupiniquim não terá liberdade para acrescentar ao show em si fatores novos, como quadros especiais ou entrevistas. A transmissão tupiniquim será espelho da oficial, portanto, a Blizzard lá de fora que vai dar os parâmetros por aqui, como reforçou o gerente de relações públicas.

“O formato é muito definido. A Overwatch League deve passar todos os parâmetros de como será essa transmissão para respeitarmos o mesmo padrão que tem lá fora”, explicou.

Mesmo assim, Kawano acredita que, “querendo ou não, o toque especial é você pode escutar a transmissão na língua mãe”.