Considerada inicialmente uma equipe forte, a Uppercut esports teve um começo de CBLoL arrebatador. O time havia perdido somente duas das oito partidas disputadas até a quarta semana do torneio. No entanto, o coach Rafael “RafaP” Pinheiro não vê nenhum brilhantismo na equipe.

“Em nenhum momento jogamos um League of Legends de qualidade. Os times foram evoluindo e chegando no seu ponto ideal enquanto nós nunca a encontramos. A nossa queda de rendimento vem disso, basicamente pela curva durante o campeonato”, contou o também analista do time em entrevista ao Mais Esports.

A organização apostou em dois nomes portugueses para completar a posição da jungle e de adcarry, sendo a última preenchida por João “Alternative” Parada. O jogador de 22 anos foi o grande nome da equipe nas primeiras partidas, mas com a má fase do time, seus números caíram drasticamente.

“É natural os números dele terem baixado, não sinto que ele piorou. Ainda acho ele um dos melhores da região na posição, mas o nosso acerto como time nunca existiu”, disse RafaP.

“Funciona como como um relógio. As engrenagens precisam estar bem ajustadas pro ponteiro de minuto chegar a 0, só assim o ponteiro de hora funciona”, concluiu o coach.

Queda de performance repentina 

No dia 16 de janeiro, a Uppercut abriu o sábado de CBLoL ao enfrentar a ProGaming Esports. Os cangurus saíram derrotados, concluindo uma grande zebra. Após essa partida, a Uppercut perdeu mais seis partidas em sequência, até ter outra vitória. No entanto, a derrota para a PRG não foi o grande problema para RafaP.

“Não acredito que tenha sido isso não. Continuo com a ideia de que nunca encontramos um balanço”, disse o treinador.

Ao voltar da pausa para o carnaval, a Uppercut teve três chances de alcançar alguma vitória. Porém, a equipe continuava sem ter boas performances e saiu com o saldo negativo de três derrotas e zero vitórias naquela semana.

“Era uma super semana muito dura, contra 3 grandes equipes, mas saímos dela sentindo que poderíamos ter ido melhor. É uma pena pois nossa situação hoje seria completamente diferente na tabela”, disse o manager da organização Erick “Erickão” Cardoso.

Clima na casa

A possibilidade de disputar o relegation e as poucas chances de ir aos playoffs não tem afetado tanto a convivência dos jogadores. “O clima na casa é muito bom. Apesar de nos cobrarmos muito durante a semana, todos se dão super bem aqui dentro e gostam de passar o tempo livre juntos”, comentou Erickão.

Enquanto RafaP é bem sincero em seus tweets, a relação dele com a equipe se mantém intacta. “Nunca cheguei a conversar com eles sobre isso. Eu costumo tweetar mais para
dar uma satisfação ao torcedor, eles merecem entender o que nos fez ganhar ou perder um game”.

Expectativas finais

Para avançar aos playoffs, a Uppercut precisa vencer seus próximos dois confrontos e esperar uma combinação de resultados. Os cangurus enfrentarão a Redemption e a INTZ, ambas equipes já garantidas na fase final. RafaP crê que as séries serão mais difíceis pois “times de playoffs têm melhores staffs e jogadores”.

Pensar na classificação para a fase final é “surreal” para o treinador. “Pode até acontecer mas definitivamente não merecemos”, completou.

Erickão não cria expectativas para as últimas rodadas e busca somente “fazer a nossa parte e torcer. Não criamos expectativas, apenas vamos lá fazermos o que podemos. Infelizmente não atingimos isso por culpa exclusivamente nossa”, finalizou Erickão.

O próximo compromisso da Uppercut será nesse sábado contra a Redemption às 14h.