Após dois anos fora do principal campeonato de LoL do mundo, a Marines (que agora se chama GAM) está de volta ao mundial, com olhos do mundo todo esperando por grandes feitos da equipe vietnamita. Por conta de toda essa expectativa, vou comentar um pouco sobre os jogadores dá atual line-up e como o time tende a funcionar dentro de jogo.

Zeros – A espada vietnamita

Após ser campeão pela Buffalo, Zeros está de volta a Marines                                                                          Foto: VCS

Muitos não sabem, mas a primeira equipe de Zeros foi justamente a Marines, no começo de 2018. Com apenas 17 anos ele acabou sendo emprestado para a Phong  Buffalo, onde acabou se tornando campeão da VCS pela primeira vez, ganhando a fama e status de melhor jogador da região.  

Zeros tem um estilo de jogo muito parecido com o atual campeão mundial TheShy, conhecido por sempre preferir campeões duelista e muito apurado mecanicamente. A agressividade de Zeros é muitas vezes a chave para o triunfo de suas equipes, mas também pode ser sua ruína. Apesar de muito talentoso, esse talento misturado com arrogância e confiança acaba o tornando um jogador muito inconsequente.  

Se na Phong  Buffalo ele acabou decepcionando muita gente justamente por ser punido devido seu jogo inconsequente, agora na Marines, Zeros parece muito mais centrado e calmo. Ele continua com as características que o deixaram famoso, mas tendo agora Levi ao seu lado, a espada vietnamita está sempre apontada para seus inimigos.  

Levi – O capitão e estrela

Levi é o coração da Marines                                                                                                                       Foto: Game4V

Principal carregador da equipe, Levi foi quem elevou o status de todo Vietnam. O jungler está de volta a equipe que o mostrou para o mundo, dessa vez como capitão, shotcaller e principal ponto de referência para uma renascida Marines. 

Considerado o MVP tanto da fase regular, como da final da VCS, Levi continua com seu estilo agressivo de jungle, principalmente com escolhas como Lee, Gragas e Nidalee. O jogador tende a focar bastante em suas rotas solos, dominando a jungle adversaria e sempre que possível, aplicando dives, principalmente na rota de Zeros. 

Levi deixou de ser apenas aquele jogador muito bom mecanicamente, mas que deixava a desejar em outros aspectos do jogo. Hoje, depois de dominar completamente toda a concorrência em sua liga regional, a estrela vietnamita impacta o mapa da Marines de tal maneira que seria difícil imaginar essa equipe funcionando sua presença. 

Kiaya – O que teve a vida transformada

Jogador mais novo da equipe, Kiaya teve que mudar de posição após a chegada de Zeros                                    Foto: VCS

Sendo o jogador mais novo dessa equipe, Kiaya tem apenas 18 anos e vem de uma zona rural do Vietnam, não pode terminar a escola, tem diversos problemas de saúde e ainda não sabe muito bem ler e escrever; muitas vezes seus companheiros de equipe precisam logar sua conta nos servidores da Riot para ele jogar. Entretanto, nenhuma dessas dificuldades impediu que Kiaya alcançasse o Challenger na soloQ coreana.  

Kiaya era originalmente um top laner, mas depois da chegada de Zeros na equipe o jogador decidiu por mudar sua posição. Agora como mid laner, o novo jogador traz uma característica bem diferente para a rota, ele basicamente só usa campeões de curto alcance e que podem ser facilmente flexionados para rota superior, ou seja, em essência a Marines possui dois top laners 

Um jogador que teve sua vida transformada pelo League of Legends, hoje tenta se adaptar a uma nova função dentro de jogo. Seu leque de campeões hoje é sua maior arma, mas também seu maior defeito. Apesar de ser muito talentoso mecanicamente, enfrentar os grandes nomes de sua nova rota será seu maior desafio. 

Zin – O carregador de piano

Zin é quem menos se destaca, mas é um dos que mais joga para o time.                                                            Foto: VCS

Assim como Zeros e Levi, Zin também já teve passagem pela Marines e está de volta para comprimir uma das principais e mais difíceis tarefas dessa nova Marines: jogar sem recurso e atenção de seu jungler, mas também suprir qualquer deficiência de dano que pode vir acontecer devido o leque limitado de campeões de Kiaya.  

De longe Zin é o jogador que menos se destaca na equipe vietnamita, mas como eu disse anteriormente, é ele quem tem o papel mais difícil. Sendo a flexibilidade sua principal característica, parece estar confortável com qualquer campeão que colocam em suas mãos, seja um Ezreal, um Vlad ou o próprio Heimerdinger, qualquer coisa se for ajudar sua equipe.  

Devido à falta de atenção de Levi para sua rota inferior é bem normal vê-lo bem atrás de seus adversários e apenas aceitando sua rota. De todos os jogadores é o menos talentoso mecanicamente, mas compensa com sua flexibilidade e campeões que podem se virar sem grandes recursos. Zin é o clássico carregador de piano.  

Slay – A outra voz da Marines 

Slay mais uma vez quer provar o seu valor, dessa vez como suporte.                                                                  Foto; VCS

Outro jogador que foi repatriado pela campeã vietnamita. Slay já é velho conhecido do público internacional e deixou a função de atirador para se transformar em um dos melhores suportes de uma região que carece de bons jogadores na função.  

Com uma função mais cerebral dentre da equipe, Slay viu na mudança de role uma chance de se provar mais uma vez como um bom shotcaller. Ele divide essa função com Levi e é parte importante do sucesso dessa nova Marines.  

Com um leque de campeões mais voltados para utilidade como Lux, Yuumi e Morgana, a função de Slay durante a rota é só de tentar permanecer vivo e absorver o máximo de pressão possível. Apesar de também ser muito bom mecanicamente, ainda não vimos ele utilizar campeões mais focados em iniciações e isso pode acabar sendo um problema no palco mundial.  

GAM Esports – A Marines, para os mais chegados

Foto: Divulgação Twitter GAM

A campeã vietnamita que ficou conhecida por utilizar estratégias mirabolantes é a que todos guardaram na memória, porém, essa nova Marines tem uma forma bem clara de se jogar o jogo, que é justamente através de seus solos laners 

A Marines tem um dos inícios de jogo mais explosivos e rápidos desse mundial. Ela sempre está forçando skirmish na parte superior do mapa, com a intenção de deixar Kiaya e Zeros na frente de seus adversários . Isso se dá por conta da agressividade de Levi, mas quando a equipe não amassa esse começo de jogo eles tendem a ter bastantes dificuldades na transição para o mid game, principalmente com o controle de visão e os assisgnments nas lanes laterais. Esse ponto será bastante explorado por equipes mais experientes.  

Entretanto, devido a flexibilidade de todos seus jogadores, não seria incomum ver a equipe do Vietnam trazendo estratégias novas e mirabolantes como aconteceu em competições passadas. Tinikun, coach daquela equipe de 2017, continua na comissão técnica e com basicamente a mesma função.  

Essa nova Marines é um time que sabe muito bem jogar standart, mas tem tudo e mais um pouco para surpreender novamente, e por isso que vocês não podem perder sequer um jogo dessa equipe que o mundo aprendeu a amar. 

O primeiro jogo da GAM será no dia 12 de outubro contra a Splyce. Você pode conferir a cobertura completa do Mundial 2019 aqui no Mais Esports.