Apenas uma série nos separa de descobrir o mais novo campeão mundial de League of Legends e, para surpresa de muitos, novamente temos uma final entre China e Europa. Se alguém ainda tinha dúvidas sobre o famoso “gap” ter fechado, acho que essas acabaram. Não importa de qual região é o time, tudo que vale é como ele joga e se prepara para seus adversários.                                                                                         

Bom, hoje eu não vim aqui falar sobre gameplay, expectativas para final ou para fazer alguma análise mais profunda sobre o confronto entre FPX e G2, estou aqui para falar sobre perdedores, sobre como a maioria desses jogadores precisaram perder muito para chegar aonde estão agora.   

Gimgoon, Lwx e Crisp

Foto: LoL Esports

Para esmagadora maioria dos torcedores que estão acompanhando esse mundial, esses três nomes continuam sendo um mistério. Não sabem quem são, de onde vem ou até mesmo como chegaram a uma final de mundial. Eles estão juntos desde o começo de 2018 (quando a FPX chegou na LPL) e eram jogadores que complementavam o meio de tabela da liga, não chamavam quase nenhuma atenção para ser sincero. Eu acompanho a LPL religiosamente e ver o que foi o ano desses três foi um choque. Tenho certeza que para eles tudo parece um grande sonho que uma hora ou outra vai acabar.  

Talvez em outro momento eu me aprofunde mais na carreira desses jogadores, mas posso garantir que, diferente do que muita gente acha, eles não são novatos como era Jackeylove ano passado. Gimgoon começou sua carreira na Xenics, ainda na LCK em 2013; Lwx e Crisp estão juntos desde um time que fracassou na LSPL em 2016. Esses três estão nessa caminhada há muito tempo e acredito que são a prova viva de que perseverança gera frutos. 

Wunder e Mikyx

Foto: LoL Esports

Os dois jogadores fizeram parte de uma line-up bem promissora que jogou na Splyce em 2016, ano em que a equipe conseguiu o seed 3 da Europa e foi para o Mundial. O potencial dos jogadores pode ser visto hoje, já que fazem parte do time que tem a chance de ser o primeiro a conquistar o Grand Slam (vencer todos os campeonatos do ano). Chega a ser mágico ver a evolução de Wunder e Mikyx com o decorrer dos anos, uma prova de que o bom momento da LEC começou muito antes da conquista do MSI 2019.

Diferente do que foi com os três da FPX, o potencial já havia sido visto nesses jogadores e acredito que foi uma questão de tempo até o mundo reconhecer suas forças. Apesar da conquista da terceira vaga da região para o mundial de 2016, o ano seguinte da SPY não foi o que todos esperavam: derrotas chegaram, nenhuma conquista e o disband de uma promissora line-up aconteceu. Wunder conseguiu encontrar algum sucesso na G2 de 2018, que milagrosamente chegou na semifinal derrotando a favorita RNG. Já Mikyx só foi ter seu lugar ao sol novamente esse ano, então ambos sabem muito bem como é o gosto da derrota. 

Caps e Tian

Foto: LoL Esports

Esses dois realmente quase não perderam em suas carreiras. Apesar de ter saído derrotado da final do mundial passado, Caps ganhou os quatro splits que disputou na Europa. Tian chegou na LPL em 2018 e, apesar da forte concorrência, já é campeão da LPL e disputa sua primeira final de mundial, isso em basicamente dois anos como profissional. 

Apesar de ambos serem os jogadores mais novos de suas equipes (os dois com 19 anos), são talvez as principais peças de seus times. É impossível imaginar FPX ou G2 sendo campeãs mundiais sem as memoráveis performances desses dois jogadores.  

Doinb, Jankos e Perkz

Foto: LoL Esports

Eu já escrevi sobre a história do Doinb aqui no Mais Esports, sobre como ele sofreu  muito para finalmente chegar nessa final de mundial, sobre suas várias derrotas frustrantes (apesar dos bons desempenhos) e, principalmente, sobre sua perseverança quase que inabalável de continuar mesmo depois de tantos fracassos. Ele é um dos pilares da Funplus Phoenix, fazendo a equipe girar junto a Tian. 

Assim como o midlaner coreanoJankos só foi conquistar seu primeiro título regional esse ano, mesmo já sendo profissional desde 2014, quando defendia a bandeira da Roccat. Apesar de ter chegado em duas semifinais de mundial, 2016 e 2018, o caçador vivia esse drama de nunca ter ganho um título na carreira. Dizem que o mundo dá voltas e para o polonês essas “voltas’ foram incríveis! Sua história passou de “nunca ter ganho títulos” para “pode ser um dos primeiros jogadores a vencer tudo que disputou no ano”.

E então chegamos a Perkz, o maior campeão da LEC, jogador que dominou a rota do meio na Europa por anos, mas que teve suas maiores derrotas em campeonatos internacionais ao ponto de virar piada entre a comunidade. Como esquecer da G2 que conseguiu apenas três vitorias em dezesseis partidas que jogou no MSI e Mundial de 2016? Perkz é o maior campeão dessa final, mas, em contraste, é um dos maiores perdedores também. 

Uma final sem perdedores

Foto: LoL Esports

Se os jogadores de ambos os times possuem várias de derrotas em seus currículos, não acredito que nenhum deles verá a não conquista desse título como um grande fracasso. Pelo menos para mim, os 10 já são vencedores, não só por estarem disputando a final do mundial, mas por terem sido, de forma constante, dois dos melhores times do mundo durante o ano todo. 

Se a FPX sair derrotada, será para primeira equipe na história que conseguiu ganhar tudo que disputou no ano. Se a G2 perder, será para o time que dominou completamente a região mais difícil e disputada que temos. Não existem perdedores para o dia 10. Para quem gosta de League of Legends, provavelmente presenciaremos uma das melhores finais de mundial da história!

Funplus Phoenix e G2 se enfrentarão no dia 10 de novembro em Paris. Você pode conferir a cobertura completa do Mundial 2019 aqui no Mais Esports.