Após sofrer ofensas racistas por um dos investidores da Echo Fox, o fundador da organização Rick Fox disse que sua relação com a organização se tornou inviável. No entanto, o ex-jogador de basquete disse não estar certo sobre deixar a equipe.

Em entrevista à TMZ, Rick afirmou que poderá continuar trabalhando com a organização caso a relação com o investidor racista seja cortada. “Não estou buscando nenhum lugar para ir, mas eu não continuarei negociando com um racista”.

Rick Fox disse que um dos sócios da Vision Esports, empresa que controla a Echo Fox, além das ofensas racistas, ameaçou a família do fundador da organização.

“O problema é que ser racista na América não é ilegal, infelizmente. Ele tem seus próprios interesses econômicos e direitos. Ninguém vai puni-lo por isso”, afirmou Fox.

Em 2015, o campeão da NBA fundou a organização, cuja qual confirmou os casos de racismo. A Riot Games se manifestou no Twitter, afirmando que estavam “lançando uma investigação sobre as acusações e vamos responder de acordo, baseado nas ações disponíveis do nosso tratado de time e nas regras da LCS”.