Chegamos a mais um MSI. Os melhores times de cada região estão juntos novamente para brigar por esse título, que, querendo ou não, dita as expectativas como um todo para o Mundial, que chega só no final do segundo split.

Vimos durante o MSI passado as melhores bot lanes de cada região se enfrentando em um meta que favoreciam elas e, que, no final, acabou consagrando o time que de fato tinha a melhor bot lane do campeonato – consequentemente a melhor do mundo.

Para o campeonato desse ano temos o foco nas lanes solo, principalmente na mid lane. Como aconteceu ano passado, temos os melhores representantes da posição competindo. Competição essa que vale muito mais do que só um possível título internacional.

A VOLTA DE FAKER

O melhor jogador da história do jogo está de volta. Depois de um 2018 terrível, onde passou rodadas no banco, não conseguiu levar a T1 para os principais eventos internacionais e se viu ultrapassado na LCK com o surgimento de novos mid lanes como Ucal e BDD.

Para Faker, esse MSI é a chance de mais uma vez mostrar para o mundo e para si próprio que ele continua sendo o melhor. Faker está sempre em busca do melhor para o time, não é o grande carregador dessa nova e estrelada T1, mas continua sendo a cara e o coração desse time.

O ÚLTIMO DESAFIO DE ROOKIE

Rookie durante todo o ano passado disputou o “titulo” de melhor jogador do mundo com Uzi, mas com que se diz respeito a mid lane, foi incontestavelmente o melhor jogador da posição, ainda mais depois de destruir seus rivais de rota no mundial, entretanto para Rookie, isso não foi o bastante.

Como todo mid laner que joga esse jogo, Faker é a maior referência de Rookie, é quem ele se inspirou e acredito que ainda se inspira. Para ele, derrotar seu ídolo seria o atestado máximo de que é tão bom quanto Faker. É o último desafio de Rookie. Para nós, o melhor da história contra o melhor de hoje. Para Rookie, uma batalha que ele sonhou em lutar a carreira inteira.

MAIS UMA OPORTUNIDADE PARA CAPS

O ano de 2018 foi incrível e de bastante aprendizado para Caps. Depois de dominar a Europa, nós vimos um jovem extremamente talentoso durante o último MSI, mas que falhou nos momentos mais importantes do campeonato. Foi provado que Caps tinha calibre para jogar contra os melhores mid laners do mundo.

Caps chegou em uma final de Mundial, não jogando a mesma coisa que havia jogado no MSI, mas ainda assim com certo favoritismo contra a IG e foi justamente nessa final que ele bateu de frente com uma montanha que ele nunca tinha visto, Rookie. Caps tem agora mais uma oportunidade de enfrentar um dos poucos mid laners que conseguiram o parar. Ter a oportunidade de jogar contra e quem sabe derrotar Rookie e Faker é o sonho de qualquer mid laner.

O RECOMEÇO DE JENSEN

O ano de 2018 de Jensen foi cheio de altos e baixos. Falhou em conquistar o título da LCS, porém levou seu time a uma semifinal de Mundial depois de cair no até então grupo da morte. Irregularidade sempre foi a principal característica de Jensen nos palcos internacionais e uma mudança precisava ser feita, essa mudança para Liquid é o ponto inicial de uma nova fase.

Não é novidade para ninguém que, apesar das boas atuações da C9 em eventos internacionais, dentro do NA, Jensen sempre viveu nas sombras de Bjergsen. Ter entrado na Liquid e finalmente conquistado um título no NA é exatamente o que Jensen precisava para recomeçar e finalmente entregar as performances que todos os torcedores norte-americanos esperam dele em palcos internacionais.