Assim que as semifinais do Mundial 2019 acabaram um sentimento diferente tomou meu corpo, era algo que nunca senti assistindo League of Legends. Eu não estava ansioso e muito menos preocupado, apenas confiante e tranquilo. Prometi para mim mesmo que não leria nada sobre a final, não falaria sobre e nem pensaria nela durante a semana, e assim o fiz.  

Quem me conhece há algum tempo sabe que acompanho e torço para os times chineses desde 2012, e durante todo esse tempo foram poucas conquistas e muitas, mas muitas frustrações, ao ponto de sempre estar temendo pelo pior, temendo que mais uma vez eles acabariam morrendo na praia. Todos esses momentos que sucediam uma série MD5 entre um time da LPL e qualquer outro era um pesadelo para mim, mas pela primeira vez na história isso não aconteceu.  

Acho que tudo começou na série de IG vs Griffin. Eu senti uma estranha confiança, uma sensação de que nada poderia dar errado e que os campeões do mundo ganhariam dos novatos coreanos. Se na série da Invictus contra a Liquid durante o MSI eu acordei melancólico e pressentindo a tragédia, nessa até posso dizer que estava entediado. Ver a FPX jogar contra a Fnatic na sequência do dia me soava como um dia normal de LPL, onde eu veria o Doinb mais uma vez ganhando de seus adversários, como foi durante todo o ano.  

Diferente do que muita gente pode achar, não acredito que esse sentimento venha pôr arrogância ou meramente clubismo como muitos dos torcedores da LCK passaram a demonstrar nesses eventos depois de tantos triunfos. Pensando friamente e analiticamente sobre o jogo, não achei nenhum ponto muito claro para apoiar essa minha tranquilidade e confiança na FPX indo para final, mas mesmo assim não sentia mais medo. Eu não estava temendo pelo pior e mesmo se saíssem derrotados não ficaria abalado como fiquei no passado.  

Toda essa tranquilidade e sensações se transformaram em lagrimas quando o tema do mundial começou a tocar durante a abertura. No primeiro “Fly, Phoenix, fly” eu chorei, meus amigos que estavam comigo no Discord também choraram, tudo parecia perfeito para a Fênix abrir as asas e voar. Quando Doinb e Tian subiram juntos, aos três minutos de partida, para divar Wunder ainda no primeiro jogo, ela realmente voou e só pousou para erguer a taça e levá-la de volta para casa.  

Eu não esperava uma série tão dominante, não esperava que o time que mais chegou perto do Grand Slam fosse completamente anulado e que suas estrelas fossem invisíveis perto dos novos campeões chineses, mas aconteceu e pude ver novamente uma equipe da LPL levantando a Summoner’s Cup. 

Conhecer a fundo a história desses jogadores faz muita diferença. Presenciar a ascensão de Tian e Crisp como os melhores de suas posições, ver uma final onde Gimgoon morreu apenas uma vez, Lwx sendo o primeiro jogador de todos os mundiais que não cedeu abates em finais e, por fim, finalmente poder assistir Doinb erguer a taça do campeonato que ele buscou participar durante toda sua vida. Foi incrível e impagável, faz valer todas as horas dedicadas a essa liga, as noites mal dormidas e todas as frustrantes derrotas do passado. 

Não sei muito bem qual é o objetivo desse texto, no final acho que é um agradecimento por mais uma temporada, agradecer por todos que leram as coisas que escrevi aqui durante o ano, agradecer a todos que começaram a acompanhar a LPL por minha culpa. Não podemos esquecer de ClearLove, que ao levantar a taça do MSI 2015, foi a motivação para jogadores como Tian e Crisp continuarem suas jornadas de tentar ser jogadores profissionais. Ele também me motivou a continuar assistindo, não só a liga chinesa, mas todo o competitivo desse jogo que amo faz anos. 

Estarei aqui ano que vem, e claro, LPL JIAYOU!!!!