“Se não for 3×0 pra kt eu nem comemoro.” Enviei essa mensagem num grupo de WhatsApp sete horas antes do início de kt Rolster vs Samsung, partida que marcou o término das 2017 Season Korea Regional Finals. Eu falava sério, uma vez que o time de Go “Score” Dong-bin tinha um respeitável win-ratio de 71,4% contra a gigante da tecnologia e basicamente não perdia para times que não se chamavam SK Telecom.

Fui dormir mais cedo — como é costume quando tem partida importante na madrugada — e acordei faltando dois minutos para o início do embate. Normalmente fico apreensivo em jogos da kt. O time tem potencial para desmantelar qualquer time do planeta, mas dependendo da condição mental dos jogadores pode colapsar e entregar qualquer vantagem de ouro que tiver.

Aquele dia, contudo, estava tranquilo. Como havia declarado horas antes, aquele era um jogo seguro, apenas para oficializar a vaga do supertime no Campeonato Mundial de 2017. Mesmo quando entregaram a liderança aos 31 minutos do primeiro mapa, após Heo “PawN” Won-seok se enrolar com o Muro da Tecelã e Score usar o Barril Explosivo em detrimento de sua bot lane, estava confiante que iam se recompor.

Mesmo depois de um pick e ban questionável, no qual escolheram Kennen quando a Samsung tinha uma Janna e priorizaram Xayah e Rakan quando Kim “Deft” Hyuk-kyu Cho “Mata” Se-hyeong não vinham tendo boas performances com a dupla, eu continuava positivo.

E então o terceiro mapa aconteceu, Lee “Crown” Min-ho e companhia conseguiram escapar de um déficit de ouro monstruoso e a kt Rolster estava eliminada do Gauntlet, fora do Mundial desse ano. O jogo só precisava ser finalizado, mas não tiveram, mais uma vez, confiança para puxar o gatilho e lutar pelo Nexus. Ao fim da série, eu estava incrédulo. Song “Smeb” Kyung-ho, PawN e Mata fitavam seus monitores com o mesmo sentimento, enquanto Score chorava cabisbaixo frente a outro fracasso e Deft fechava os olhos em sua característica feição pós-derrota.

Jogadores da kt após a derrota pra Samsung (OGN)

Mas e se eles não tivessem falhado e estivessem nesse exato momento treinando para, daqui a um mês e meio, levantarem o Summoner’s Cup? Como seriam ranqueados os representantes da kt em meio aos adversários do mundo inteiro? Para dois jogadores, a resposta é bem descomplicada.

Mesmo com o aparecimento de Kim “Khan” Dong-ha e o fato de ele ter recebido o prêmio de MVP da final da LCK Summer, Smeb ainda é considerado o melhor topo do planeta. Khan pode ter as jogadas mais explosivas do campeonato coreano —como a fuga de Renekton, o 1v2 de Fiora e o domínio de Jayce, todos contra a SKT — , mas Smeb demonstrou maestria com maior diversidade de campeões. Ele jogou com 15 nesse segundo split, que variaram de Lutadores a Magos a Tanques. Khan, por outro lado, jogou com 12 e todos Lutadores.

As estatísticas também favorecem Smeb: dentre os topos coreanos do Mundial, ele foi melhor em Diferencial de Experiência aos 10 (180) e Diferencial de CS aos 10 (5.7), só ficando atrás de Khan em Dano Por Minuto (36 atrás). Considerando que o topo da Longzhu só jogou com carregadores e atraiu 0,5% a mais de recursos, Smeb não fica em desvantagem. É provável, então, que ele ficasse por volta da terceira colocação do ranking de jogadores.

Score, por sua vez, vem sendo visto como melhor caçador desde o ano passado. Sua capacidade de identificar condições de vitória, estar no lugar certo na hora certa e adaptar rotas imediatamente são impressionantes, ainda que perca levemente na mecânica para junglers como Han “Peanut” Wang-ho. O capitão da kt liderou em diversas estatísticas da posição na LCK, como KDA (7.1), Taxa de FB (53%), Diferença de Ouro e XP aos 10 (302 e 132, respectivamente), assim como ficou em segundo em Participação em Abates (71.7%) e Dano por Minuto (290).

Score e Smeb, a melhor dupla top-jungle do mundo

Com a LCK enviando um Peanut mal adaptado ao time, Moon “Cuzz” Woo-chan que é de longe o elo fraco da Longzhu e Kang “Blank” Sun-gu, O Imortal seria tranquilamente o líder do pelotão. Em termos de ranking, ele possivelmente seria posicionado no top 5, logo atrás de Smeb e Khan.

Passada a dupla top-jungle, as coisas ficam mais traiçoeiras. Isso porque PawN e Deft são difíceis de avaliar se comparados aos seus iguais. O mid laner teve, de fato, um desempenho melhor na Etapa de Verão, mas foi quase como se ele fosse substituível para o time. Ele ficou mais no serviço de waveclear com Galio, Orianna e Taliyah, entre outros, e apenas ocasionalmente ousou com LeBlanc. Foi estatisticamente mediano em quesitos como XPD10, CSD10, DPM e KP. Então, assim como no ano passado, seria difícil pleitear uma posição no top 20.

Já no caso de Deft, é ainda mais confuso classificá-lo. Ano passado, ele foi numerado como terceiro melhor jogador do torneio, o que o fez também ser o melhor atirador. As considerações a respeito de jogadores da EDward Gaming se mostraram exageradas em retrospectiva, mesmo se considerar o placar de tirar o fôlego de 11/1/9 como Caitlyn contra a ROX Tigers. Esse ano, porém, as fraquezas do adcarry ficaram ainda mais expostas, principalmente em situações de alta pressão.

Na teoria, Deft é soberano na posição pois lidera em todas as estatísticas relevantes ao mesmo tempo que exige a terceira menor parcela de ouro da LCK. Mas nas horas derradeiras — contra SKT e Samsung — foi ele que errou no posicionamento, deu facecheck na hora errada ou deixou de causar dano. Dito isso, há de se levar em conta que ano passado seis atiradores entraram no top 20. Dessa forma, tirar a vaga de Deft seria muito difícil. Ele certamente ficaria atrás de Kim “PraY” Jong-in e Bae “Bang” Jun-sik, mas dos outros? É discutível.

Por último, Mata é um jogador cujas impressões variam de acordo com quem se está falando. Alguns dizem que as mecânicas do lendário shotcaller não são mais as mesmas, que ele não sabe mais comandar um time. Outros dizem que a habilidade continua perfeitamente bem, que o problema da kt é a pluralidade de vozes. A questão é que pode-se argumentar que Mata ainda é um dos melhores da Coréia, atrás apenas de Kang “GorillA” Beom-hyun. Seu pick de Thresh foi responsável por diversas vitórias ao longo do Verão, assim como o de Rakan (que mesmo assim não é um de seus melhores campeões). Se ele faria parte ou não do top 20, dependeria de como os jurados priorizassem os suportes. Com a multiplicidade de mids e adcs fortes no campeonato, é provável que ficasse de fora.

Apesar de todas as expectativas em volta do supertime da kt Rolster, o quinteto de Smeb, Score, PawN, Deft e Mata não conseguiu a classificação pro Worlds 2017. Cabe ao público imaginar o que seria do time no palco internacional e como os jogadores seriam relacionados. E ainda, se esses cinco ficarão juntos para o ano que vem ou se juntará a lista de falhas do League of Legends.