Semana passada, conferimos o que é essa composição amada por tantos e odiada por outros muitos, como se orientar inicialmente ao utilizá-la e variações que podem ajudar em um combate situacional. Agora, é hora de se aprofundar no que fazer, no que não fazer e em como lidar com a famigerada GOATS!

O QUE FAZER

  • Busque sempre garantir a primeira eliminação com o auxílio do atordoamento da Brigitte. E, além disso, atordoe o Reinhardt adversário, forçando-o a abaixar o escudo para que o alemão de armadura do seu time possa emplacar um Abalo Terrestre sem chance de bloqueio do inimigo!
  • Coordene o aumento de velocidade de seu Lúcio com seu time e utilize-o principalmente para passar por pontos de choque (Choke Points) de maneira rápida e ilesa, chegando ao objetivo principal o quanto antes. Após isso, é só esculachar!
  • Utilize sua D.Va para auxiliar em tais passagens também, sempre focando em engolir algum projétil importante com a matriz defensiva e parar o dano adversário inicial. Para tal, estude os lugares do mapa de onde normalmente vem a iniciativa do inimigo para não gastar tempo ou carga de Matriz em vão.
  • Pense nas supremas de seus suportes como maneiras de alcançar o pico de poder dos seus tanques e não somente em reações para salvar seus aliados. Em especial, a coalescência da Moira é incrivelmente forte para manter todo mundo vivo e alvejando os adversários.
  • Mesmo defensivamente, tome a iniciativa dentro dos limites possíveis da agressividade. De nada adianta se aventurar muito à frente do objetivo protegido por sua equipe, porém busque oportunidade de encurtar a distância em relação ao time atacante, uma vez que a GOATS não possui quase nenhum dano de longa distância e se dá muito bem iniciando confrontos e trazendo a vantagem numérica inicial. Se esconder e surpreender inimigos em mapas com primeiros trechos extensos, como Junkertown, pode ser uma boa pedida — Só cuidado para não trollar, claro.
Um dos astros da composição, Reinhardt! (Foto: Reprodução/Divulgação)

O QUE NÃO FAZER

  • Não gaste muitos recursos contestando demais terrenos elevados, pois isso pode abrir uma brecha para uma iniciação forte do adversário em seus suportes ou mesmo nos tanques que se não se moverem para o terreno elevado em questão. Para isso, conteste aquela Widowmaker, aquele Hanzo ou até mesmo aquele Junkrat com sua D.Va enquanto seu time faz trabalho no objetivo. E certifique-se que seu aliado volte ao centro da composição a tempo de ser curado para permanecer na batalha.
  • Não separe seu time irremediavelmente. Mantenham-se juntos para que a cura e a proteção sejam mais efetivas e, caso seja necessário se dividir por algum motivo, comunique com a equipe e tenha em mente os tempos de recarga inimigos e aliados para não ficar fora de posição ou forçar seu suporte a partir em uma corrida suicida rumo ao salvamento improvável de vossa pessoa.
  • Não se esqueça de combar suas habilidades supremas. Surto de Grávitons com Autodestruição, atordoamento da Brigitte com Abalo Terrestre na sequência, investida do Rein ou atordoamento da Brig para abaixar o escudo do Reinhardt aversário quando a Autodestruição do seu time for explodir, Abalo Terrestre seguido de Autodestruição… Já mencionei a Autodestruição antes?
Pede pra nerfar, noob!  (Foto: Reprodução/Divulgação)

COMO LIDAR COM GOATS

  • Junte paciência com preparação e leitura de jogo. Procure implacar o máximo de dano na GOATS, com DPSs jogando ofensivamente, antes que eles estejam no objetivo. E, principalmente no caso dos suportes, rotacione rápido para não ser pego fora de posição.
  • Após o adversário ter adentrado o objetivo, faça a ciclagem de quem contesta o ponto/carga. D.Va faz isso muito bem, Orisa também consegue executar a contestação somente pisando levemente no ponto e estabelecendo seu escudo em lugares efetivos, deixando seus DPSs com ângulo bom para danificar a composição adversária.
  • A habilidade ‘Parados’ da Orisa, seu mini Surto de Grávitons, pode interromper muito bem a movimentação em conjunto da GOATS, separando alguns alvos e os deixando susceptíveis àquela balita da sua Widowmaker.
  • Utilize composições de spam, ou seja, que permanecem arremessando projéteis e atirando no adversário para minar sua vida e fazer uma chuva de dano o tempo inteiro. Junkrat, Widowmaker, Hanzo e Pharah são boas pedidas. Porém, tenha em mente que seu time precisa finalizar as eliminações nos alvos feridos, caso contrário o dano curado pela GOATS será muito alto, o que favorece os suportes inimigos e pode complicar sua situação na hora do combate pelo objetivo.
  • Desista de tudo acima, também troque para GOATS e seja feliz.
Nem sempre em um tiro, porém (possivelmente) uma morte (Foto: Reprodução/Divulgação)

E é isto! Aos poucos, mais e mais táticas são criadas para mitigar a potência absurda que uma boa GOATS traz para o Overwatch Competitivo, e com as noções e dicas acima, fica mais fácil jogar com ou contra essa composição tão famosa e efetiva! Espero que tenham gostado e não se esqueçam que toda quarta-feira este caster que vos escreve aparecerá novamente com um artigo focado em Overwatch. Abraço! :D