- Publicidade -

A janela de transferências do CBLoL veio com algumas surpresas para o segundo Split de 2018. Uma delas é a mudança do jogador  Rodrigo “Tay” Panisa para o Top. O jogador atuava como Jungler pela paiN Gaming, e agora defenderá a camisa da INTZ em uma nova posição, sendo a quarta mudança de posição em sua carreira competitiva.

O Mais e-Sports teve a oportunidade de entrevistar o jogador, que falou um pouco sobre sua transição, entrada na INTZ, período que jogou como Jungler e muito mais. Confira:

 

Pergunta: Agora você vai jogar no Top e já é sua quarta mudança de posição competitivamente. Quando você virou mid laner todos falavam que você jogava muito, que era a pessoa com mais horas de LoL no Brasil. O quanto você acha que isso influência para você fazer essas mudanças de posição?
Tay: Eu acho que isso influência bastante pelo fato de eu ter mais facilidade de pegar as “manhas” de cada posição, porque quando você muda a parte mais difícil é pegar os conceitos básicos de cada posição, então eu acho que quando se joga muitos jogos esses conceitos são pegos mais rápidos.

P: Não tenho certeza se você ainda é a pessoa com mais horas de LoL no Brasil. Você ainda continua jogando muito?
T: Eu acho que ainda sou o cara com mais horas aqui no Brasil, mas não tenho certeza se ainda jogo tanto assim comparado com antigamente, antes nós tínhamos menos compromisso e conseguíamos jogar mais soloq, mas hoje eu jogo umas seis soloq mais uns 5 jogos de treino, então devo jogar em torno de uns 12 jogos por dia. Eu jogava bastante jogos no modo normal porque eu não gostava de jogar ranqueada, mas hoje eu só jogo ranqueadas.

P: O que fez você topar ser top laner? Foi uma oportunidade que apareceu ou você teve uma vontade de fazer essa mudança?
T: Não foi um desejo especifico, surgiu mais por portas da INTZ. A razão de eu vir pra cá é possivelmente a line-up porque são pessoas que eu já conhecia, já trabalhei e gosto muito,. Eu também não queria mais jogar na selva porque eu não me sentia bem, então eu queria mudar de posição para o Mid ou Top, acabou surgindo o convite da INTZ e aceitei.

P: No último split na paiN Gaming você estava sendo o grande alvo das criticas da torcida. Você acha por causa disso você não estava se sentindo confortável jogando como Jungler? Ou você não se sentia confortável jogando na posição?
T: A torcida pode ter tido um certo peso sim mas não foi o principal porque eu realmente não estava me divertindo jogando como Jungler, eu acho que parei de evoluir até certo ponto e isso me chateava bastante, então acho que é mais por isso mesmo, eu estava estagnado.

P: Agora como Top, você está gostando de jogar por causa da posição especifica ou porque é mais um desafio novo na sua carreira?
T: Um pouco dos dois. Eu gosto bastante do estilo do Top por ser uma posição mais a parte do time, que consegue jogar mais sozinha. Individualmente falando a posição consegue ter um pouco mais de influência da mecânica e conhecimento do jogador e isso é algo que eu gosto mais por enquanto.

P: Mas você sente hoje que tem muito impacto no jogo? Talvez como teria em alguma outra posição?
T: Acho que depende bastante do jogo, porque em alguns o top laner pode afetar muito mas também tem jogos que o top apenas segura a partida e fica longe do time a maior parte do tempo.

P: Você jogou com o Takeshi no Split passado e ele também fez essa mudança de posição. Ficou muito nítido que ele tinha alguns problemas de Champion Pool por exemplo. O que você tem que fazer para não passar pelo mesmo problema?
T: Eu acho que eu já joguei bastante LoL então a maioria dos campeões eu já joguei muito como por exemplo GP, que quando eu jogava no Mid eu usava muito, mas acho que não tem segredo, se sai um campeão novo que pode ser bom no meta então você tem que jogar o maior número de jogos possíveis porque por mais que você que você já tenha jogado muito, o meta muda bastante, matchups mudam bastante, o jeito de se jogar muda bastante, então não tem muito segredo é só sentar jogar e tentar aprender com o campeão o mais rápido possível.

P: O Takeshi já tinha falado sobre isso, que muitas das vezes ele tinha que “masterizar” um campeão que voltava para o meta enquanto que o resto dos jogadores da posição já o tinha “masterizado” na teoria. Você acha que pode sofrer com isso também?
T: Eu acho que pode atrapalhar um pouco mas não vai ser algo tão critico, não é algo que eu me preocupo realmente.

P: O que você está achando do time e como está sendo sua relação com eles? Eles te apoiaram na mudança para o Top?
T: O principal motivo de eu ter vindo para cá foi porque eles me apoiaram, antes de eu aceitar a proposta eles me ligaram e e me deram todo o apoio, eles confiavam muito em mim e falaram que era só eu vir que eles iriam em ajudar o máximo possível para eu conseguir me adaptar rápido, então o principal foi todo o apoio dos jogadores.

P: Vocês vão estrear contra a KaBuM que é a atual campeã do CBLoL. Você acha que conseguem ganhar deles? Como está sua confiança?
T: Eu acho que o último Split mostrou que não tem time bobo no CBLoL e que qualquer time pode ser muito forte. Sabemos que vai ser difícil mas qualquer jogo vamos chegar cofiantes o bastante para achar que conseguimos vencer.

P: Tivemos a Team oNe vencendo em um Split e posteriormente a KaBuM vencendo. Em um podcast do Schaeppi estava sendo discutida essa questão, onde ele comentou que a diferença entre os jogadores não é tão grande e que mesmo um time que não tem grandes estrelas pode chegar e ganhar porque justamente pela diferença individual não ser tão grande. Você concorda com isso?
T: Eu não concordo em partes mas eu acho que o principal motivo é que no Brasil o nível é muito inconstante, ou seja, em alguns Split os times vão muito bem e em outros o nível cai muito, como aconteceu com a paiN e com a Team oNe. O principal é que aqui no Brasil não tem ninguém bom o bastante para conseguir se destacar individualmente, porque aqui o principal é saber jogar em time que foi o que a T1 e a KaBuM fizeram par ser campeãs.

Você pode acompanhar a cobertura completa do CBLoL 2018 aqui no Mais e-Sports.