Depois de seis anos de muita dedicação ao cenário de Dota 2 no Brasil, o jogador Eduardo “dudu” Petrone decidiu pendurar o mouse. A decisão que já estava na cabeça de uma das pessoas mais conhecidas do Dota 2 brasileiro foi acelerada após o mesmo ter sido esfaqueado seis vezes no braço, enquanto voltava de um bar no Rio de Janeiro há três semanas.

dudu anunciou a aposentadoria em um comunicado publicado em sua página do Facebook, onde afirmou que não estava mais conseguindo suprir o tempo que as pessoas ao seu redor necessitavam dele, deixando de lado família, namorada e amigos para se dedicar ao jogo.

O Mais e-Sports entrevistou dudu para saber mais sobre a decisão de se aposentar, o ataque sofrido há três semanas e também sobre os planos para o futuro do jogador. Na entrevista, o ex-jogador de AceZone, paiN Gaming, INTZ e Innova falou ainda sobre o apoio que recebeu de várias pessoas tanto do Dota 2, como também de outras modalidades do e-sport.

“Percebi que estava muito viciado ao invés de focado, o que pra mim são coisas muito diferentes. Eu parei pra pensar um dia e vi que eu não poderia seguir em frente, porque eu estava regredindo muito na minha vida pessoal. O ponto do assalto contribuiu bastante para eu realmente ver que não rolava de eu jogar mais, já que como eu estava lesionado por causa das facadas, acabou unindo a minha vontade de parar com o fato de eu não poder jogar”, conta dudu.

O jogador disse que quando o ataque aconteceu, ele já havia parado de jogar. No entanto, na primeira semana logo após as facadas, o jogador conta que não aguentava ficar mais de 30 minutos posicionado com a mão no mouse, já que a pele machucada ficava esticada. dudu ainda disse que viu o assalto como um sinal para dar suporte a sua decisão de se aposentar.

“Eu acredito muito nessa parada de sinal que acontece na vida sabe? Eu não tenho religião não, só que eu acho que quando acontece algo na nossa vida, é porque tem um motivo maior. Depois do ataque, eu parei pra perceber que eu estava perdendo as pessoas ao meu redor. Demorei muito pra perceber, já que eu sou um cara que não consegue conciliar uma coisa ou outra, no quesito jogo”, ressalta.

O agora ex-jogador também disse que se emocionou com as várias mensagens recebidas após o anúncio da aposentadoria. “Um monte de gente do cenário do Dota 2, quanto de outras modalidades me mandou mensagem. Nunca imaginava que o pessoal iria fazer isso e esse reconhecimento me deixou muito feliz, cheguei a chorar aqui em casa”.

Para o futuro, dudu agora pretende concluir seu curso de publicidade e propaganda e ficará como coach e manager da equipe de Dota 2 da Team Innova, além de buscar meios de ajudar o Dota 2 a crescer no Brasil, só que desta vez por trás dos bastidores.

“Vou ficar como coach da Innova porque agora vou ter tempo para isso. Vou acompanhar o meta, ver os jogos, replays, além de buscar novos talentos no nosso cenário. Tanto é que já estou conversando com um menino que tem 14 anos de idade e joga muito, um monstrinho. Além disso, vou fazer o máximo para ajudar o Dota a crescer aqui no Brasil, vou estudar o cenário, ver o que é possível fazer, o que eu posso trazer para ajudar. Mas em breve começarei a mexer uns pauzinhos”, conclui Eduardo.

Foto: Last Hit