- Publicidade -

Mais um caso de falta de pagamento assola o cenário internacional de Counter-Strike: Global Offensive. O ex-jogador da Windigo v1c7oR afirmou em um tuíte que a WESG ainda não realizou o pagamento da premiação da última edição da competição, a WESG 2018.

O jogador revelou que mesmo após quase um ano após da conquista da WESG 2018, a organização da competição ainda não depositou a premiação de US$ 500 mil à equipe. O atleta também criticou a WESG: “É realmente muito terrível. Não dê prazos se você não cumpre sua palavra. Isso não soa bem para o nome da organização”, disparou.

Na ocasião, a Windigo conquistou o título da WESG 2018. A competição foi disputada em Chongqing, China. Os búlgaros, inclusive, eliminaram a MIBR na fase de quartas de final da competição.

O problema não é novo

Nos últimos meses, a falta de pagamento por parte de organizadoras de campeonatos têm sido expostos por jogadores e dirigentes das organizações. Na última sexta-feira (17), o General Manager da MIBR revelou que a organização tem que esperar em média 150 dias para o pagamento ser realizado.

No início de dezembro de 2019, a StarLadder foi acusada pelo caster HenryG de atrasar pagamento dos trabalhadores que atuaram na transmissão do campeonato Major que organizou.

No dia 13 de janeiro, foi revelado que a Lowkey deve dois meses de salário aos jogadores que dispensou – cerca de R$ 86 mil. Além disso, a organização também não reembolsou os custos do bootcamp da equipe de Rocket League, que foi realizado em Madrid.

Segundo tander, a Lowkey falou para os jogadores passarem seus custos em seus cartões e que depois a organização ia ressarcir. O que não foi feito. Ainda segundo o jogador, a organização ainda deve mais de US$ 6 mil de buyout.