Finalista de mais um torneio em 2019, Matheus “Tuurtle” Anhaia se encontrou na DETONA Gaming. Aproximadamente três meses desde sua entrada na equipe, os pitbulls faturaram três Ligas Pro e duas vagas para torneios internacionais, ESL Pro League, na França, e Esportal Global, na Suécia. Neste domingo (26), o jogador volta aos servidores para encarar um adversário conhecido na decisão da ESL LA League, a W7M Gaming.

Está será a sexta final onde os times se enfrentam somente este ano. Favoritos para mais um título, a DETONA venceu quatro das cinco vezes onde se enfrentaram, formando uma rivalidade entre as equipes.

“Estamos jogando muitas decisões contra eles e os jogos são sempre muito parelhos. Nunca é um 2 a 0 fácil contra eles, geralmente é um 2 a 1, ou perdemos o primeiro mapa e entramos mais focados no segundo porque não podemos vacilar. Com certeza ainda não é freguesia, precisamos ganhar deles na lan para mostrarmos que podemos dominar o cenário”, comentou o jogador em entrevista ao Mais Esports.

“Para mim é a mesma coisa jogar na lan ou pela internet. Para mim vai ser o mesmo tipo de jogo, vamos estar esperando as mesmas coisas deles, com certeza eles não devem ter mudado muitas coisas do padrão de jogo deles e sinto que vai ser a mesma coisa que na net”, acrescentou.

SEMIFINAL CONTRA OS ARGENTINOS DA 9Z

Para chegar na decisão, Tuurtle e a DETONA tiveram que passar pela 9z. No primeiro mapa do confronto, a DETONA teve um início lento e chegou a estar perdendo por 15-4. Embalados pela torcida, os pitbulls chegaram a diminuir a desvantagem para 15-11, porém foram derrotados pelos argentinos por 16-11.

“Na Overpass, sabíamos que poderíamos perder esse mapa, porque não é um mapa que costumamos treinar tanto. Nós íamos banir a Overpass, mas decidimos não fazer porque não estávamos confiantes de jogar Vertigo depois da ultima atualização”.

“Entramos bem frios de CT, mas quando mudamos para TR passamos a vencer várias rodadas seguidas e é aquilo né, já tínhamos tomado 15-4 e não tinha muito o que fazer, alguma hora iríamos perder uma rodada”, adicionou.

Na Inferno, escolha da DETONA, os pitbulls não tomaram conhecimentos dos argentinos e venceram pelo elástico placar de 16-3, empatando a série em 1-1 e forçando um mapa decisivo.

“Quando vimos que poderíamos perder o primeiro jogo colocamos todo o nosso foco na Inferno. Nós entramos muito focados, começamos a partida já atropelando eles e quando vencemos o segundo armado seguido vimos que seria um jogo fácil. Foi só manter o padrão, ter calma e não se afobar em rodadas de clutch”, explicou.

O terceiro e decisivo jogo aconteceu na Mirage, um dos melhores mapas da DETONA. Sem muitas dificuldades, a equipe de Tuurtle novamente atropelou a 9z, vencendo dessa vez pelo placar de 16-1.

“Pelo espanco na Inferno, eu senti que eles entraram mais desligados no jogo seguinte, e que estavam um pouco em choque. No começo do jogo estávamos ganhando todas as trocações e vencendo rodadas com quatro ou cinco jogadores vivos. Mantivemos o padrão de CT, botamos a cara só quando precisávamos e fomos ganhando confiança porque sabíamos que eles já não estavam tão focados”, acrescentou.

FAMA DE PRONET

A DETONA costumava ser um time que tinha fama de não conseguir jogar na lan. Com a primeira aparição da equipe em um campeonato presencial acontecendo somente em agosto de 2018, muitas pessoas faziam brincadeiras falando que o time era pronet.

Quase um ano depois, a mesma DETONA não só já foi campeã na lan como até já participou de presencias internacionais, como a ESL Pro League nos Estados Unidos. Para Tuurtle, essa história é passado e não afeta o desempenho do time.

“Já tiramos esse estigma de que somos pronet e esse tipo de brincadeira. Já jogamos muita lan importante como a Pro League nos EUA, onde conseguimos mostrar um bom resultado, além de termos vindo aqui jogar com torcida a nosso favor. Já não temos mais isso na nossa cabeça e isso não atrapalha nosso desempenho de nenhuma maneira”, finalizou.