TACO durante a Blast Pro Series São Paulo (Foto: Blast Pro Series)

Com três derrotas em três jogos, a MIBR não tem mais chances de avançar na Blast Pro Series São Paulo. Jogando diante de uma barulhenta torcida, a equipe acabou decepcionando e caiu diante da Astralis por 16-10 na Overpass – ficando sem chance de classificação.

Para Epitácio “TACO” Filho, os brasileiros ainda não tem a resposta para frear os dinamarqueses.

“Sendo sincero, se eu soubesse essa resposta [de como parar a Astralis] eu iria lá e fazia. É um pouco complicado, eles são bem bons mesmo. Nossa preparação foi boa, nossos treinos foram bons e realmente não sabemos a resposta”, afirmou o jogador em entrevista no Ginásio do Ibirapuera.

Para TACO, não é a falta de empenho que tem sido um obstáculo. ”Eu não acho que falta esforço. Demos tudo o que a gente pode, só não foi o suficiente. Espero que no próximo a gente tenha essa resposta e consiga bater os caras”.

O jogador afirmou que a derrota diante do público, que lotou o Ibirapuera, foi mais dolorosa. “É mais aguda [a derrota] com a presença da torcida. O único problema é o sentimento que fica é que a gente não merece todo o suporte que estamos tendo aqui no Brasil. Mesmo que tenhamos conquistado muita coisa no passado, isso não importa. Já fazem dois anos e a gente quer ganhar de novo”.

“Nos esforçamos bastante, a preparação foi a melhor possível, mas no final não foi o suficiente. A sensação que fica é que a gente decepcionou, não só os fãs como a nós mesmo, e essa é a pior sensação que tem”, completou.

ERROS INDIVIDUAIS CUSTARAM CARO

Questionado sobre qual das derrotas foi mais a dolorosa – contra ENCE, FaZe Clan ou Astralis -, TACO optou pelos jogos do primeiro dia.

“Hoje contra a Astralis nós erramos mais como equipe. Contra a ENCE e FaZe foram muitos erros individuais, saindo do plano de jogo. Essas derrotas de ontem doeram mais do que a de hoje, sem dúvida. Pelo nível de time que estamos enfrentando também”, finalizou.