ryotz
ryotz, da W7M, durante a 3ª temporada da LA League (Foto: Leonardo Sang/BBL)

A W7M Gaming finalmente conseguiu bater seu “nêmesis”. A equipe venceu a DETONA Gaming na decisão da 4ª temporada da LA League e, segundo Leon “ryotz” Felipe, vai ganhar um gás extra para os próximas compromissos.

“Ganhar do nosso nêmesis dos últimos meses vai aumentar a confiança. Vai dar um boost muito grande”, afirmou ryotz em entrevista ao Mais Esports.

“Estamos fazendo uma mudança no nosso estilo de jogo e ganhar do atual melhor time do país prova que estamos no caminho certo. Agora é continuar treinando, analisando e mantendo o foco. Isso vai dar um bom gás para gente”, continuou.

O apelido de nêmesis usado por ryotz não é em vão. W7M e DETONA se enfrentaram em seis finais este ano, com quatro vitórias ficando para André “tiburci0” Rossetto e seus comandados. Dessa vez, foram os Bulls que saíram com a vitória.

“Queríamos essa revanche há muito tempo. Nos últimos confrontos contra eles na internet nós saímos perdendo, só tivemos uma vitória na final da ESEA Open. E isso foi uma motivação muito grande para achar um nível de confiança e poder ganhar hoje deles. Obviamente, nossa confiança estava abalada vindo para esse torneio depois de perder tantas oportunidades e finais. Nós precisávamos ganhar hoje e recuperar esse ânimo”, afirmou.

PROLANS

Com uma espinha dorsal que joga junta há muito tempo, a W7M se tornou uma figurinha carimbada entre os melhores times do país nos últimos dois anos. Em presenciais, a equipe tem uma histórico de conquistas – incluindo dois títulos da Brasil Game Cup. De acordo com ryotz, jogar na lan transforma a W7M.

“Nosso time cresce muito em lan pela empolgação de jogar um presencial. São poucos eventos ainda, o cenário está crescendo bastante, mas ainda ocorrem poucas lans. Quando acontece ficamos muito animados, empolgados, queremos vencer. A gente cresce e alguns outros times decaem um pouco do padrão da internet pois saem do conforto, é normal. Mas somos um time bem experiente e na lan somos outro time”, afirmou.

VAGA NA GRINGA

Apesar de faturar R$ 15 mil, a W7M não garantiu vaga para a Pro League – como aconteceu nas três edições anteriores da “Libertadores” do CS:GO. Por questões de calendário, a 4ª temporada da LA League não serviu como seletiva para a liga internacional da ESL. Para ryotz, isso deixa o time com um “gostinho” amargo.

“Tudo acontece por um motivo. O fato de termos perdido a LA League nos primeiros meses deste ano nos fez crescer muito como profissionais, nos fez dar mais valor ao trabalho psicológico. Até fizemos uma homenagem aos nossos psicólogos no palco, porque eles realmente merecem. Aprendemos a ter um novo mindset, todos os jogos nós entramos mais focados, calmos. Se nos afobarmos, temos ferramentas de como se acalmar novamente. Fica um gostinho [de quero mais]. Estamos loucos por essa vaga para fora, estamos quase chegando nela, batemos na trave algumas vezes, mas agora é hora de continuar nosso trabalho e evoluir”, finalizou.