A Team Reapers está em uma crescente meteórica no cenário brasileiro de CS:GO e um dos principais responsáveis por isso é Matheus “brutt” Queiroz. O jogador de apenas 18 anos ajudou sua equipe a alcançar resultados expressivos nos últimos meses e somente em junho os ceifadores foram campões da Liga Pro e garantiram a última vaga para a Gamers Club Masters III. Para o awper, essa rápida evolução é resultado dos treinamentos sendo colocados em prática.

“O que a gente apresentou nesses campeonatos que disputamos sempre esteve ali. Nós já jogávamos dessa maneira nos treinos e essa evolução rápida vem acontecendo porque começamos a arriscar o que fazíamos nos treinos nos campeonatos. Quando botamos isso na cabeça, conseguimos subir um patamar a mais”, comentou o jogador em entrevista ao Mais Esports.

ENTRADA DE HORVY NA LINE-UP

Apenas uma semana antes do início da GC Masters III, Lucas “Lucaozy” Neves deixou a line-up para a entrada de João “horvy” Horvath. A equipe não teve muitos dias para se preparar para o torneio, porém brutt afirma que os treinamentos foram longos e intensos.

“O Lucao não continuou na line por causa dos estudos, ele teve que sair da line para fazer um curso e tivemos que trocar e colocamos o Horvy. Estávamos treinando desde o dia 22 e foi uma preparação longa e muita intensa, de doze horas por dia. Acho que depois da GC Masters, quando tivermos tempo para treinar, vamos evoluir muito mais”, afirmou.

A entrada de Horvy na line-up também trouxe algo muito importante para o time: experiência. O novo integrante da Reapers já teve passagem por times como INTZ e Immortals e teve a oportunidade de jogar e de participar de torneios fora do Brasil. Tendo jogado ao lado de jogadores que fazem a mesma função que brutt, o jogador tem muita coisa para aprender com a nova contratação dos ceifadores.

“Tem muita coisa que eu tenho pra aprender com o Horvy, como quando saber recuar e avançar. Ele jogou ao lado de awpers muito experientes, como o kNg, que pode ter dado algum toque para ele que pode ser passado para mim”, acrescentou.

OS JOGOS NA GC MASTERS III

No primeiro dia do torneio, a Reapers teve que encarar a DETONA Gaming e a paiN Gaming. No primeiro confronto, os ceifadores foram derrotados pelo apertado placar de 16-13, enquanto que no segundo jogo, brutt e seus companheiros venceram de virada por 16-14.

“O primeiro jogo contra a DETONA estávamos muito confiantes e tínhamos o jogo nas mãos, mas acabamos entregando dois rounds que não podíamos e acabamos perdendo. Contra paiN realizamos o comeback muito focados na Dust2, um dos nossos melhores mapas, e conseguímos trazer a vitória” falou.

Com os resultados, a Reapers voltou a jogar contra a paiN, dessa vez em uma md3 valendo a última vaga do grupo para o mata-mata do torneio. Os dois primeiros mapas da série foram muito equilibrados, com dois jogos apertados nos mapas Ovepass (16-13) e Mirage (16-11).

“A Overpass senti que poderíamos ter jogado muito melhor. Tiveram algumas rodada que senti que eu ou algum dos meus companheiros estava muito desligado, rounds e detalhes bobos que na hora acabamos errando. Já a Mirage é um mapa que treinamos muito mesmo não sendo nosso melhor mapa e como sabíamos que esse também não é o melhor mapa da paiN decidimos pickar ele e conseguimos ser superior”, adicionou.

Com a série empatada em 1-1, o mapa decisivo foi Inferno. A Reapers fez um lado TR excelente, virando de lado vencendo por 11-4, porém mesmo com tudo a seu favor, os ceifadores acabaram tomando a virada da paiN, que realizou o comeback e venceu o jogo por 16-13, eliminando brutt e seus companheiros do torneio.

“Eu não acho que nosso time sentiu pressão nesse jogo. Acho que foram quatro ou cinco rounds que cometemos alguns erros, eu fiz alguns avanços que não precisava, teve um pistol que estava 5X3 e acabamos perdendo. Praticamente entregamos o jogo para os caras, ele era nosso completamente”.

O FUTURO DA REAPERS

Após a eliminação da GC Masters III, brutt acredita que sua equipe evoluirá ainda mais e que seu time tem capacidade de bater de rente com qualquer um no Brasil.

“Vamos levar de aprendizado que podemos bater de frente com os melhores times mesmo com pouco tempo de line. levamos a bagagem desse campeonato sabendo que nos próximos torneios vamos evoluir muito mais e daqui a pouco vamos estar em um nível acima”, finalizou.