O termo “suporte” nos esports é, muitas vezes, injusto: afinal, nem sempre ele carrega o peso e o direcionamento dessa função em um game competitivo. Pela própria termologia, há quem pense que o suporte fica abaixo de algo maior e, por isso, seu trabalho é manter que o resto da estrutura não desmorone. Já adianto que essa visão tem algumas falhas visto que encontramos aqueles suportes que, principalmente em nível profissional, não se contentam em só sustentar o seu time — eles também participam ativamente da construção de grandes jogadas. E isso quando eles não são os responsáveis pela própria vitória.

Por muito tempo, principalmente no início do League of Legends competitivo, eu imaginei que a função do suporte era majoritariamente garantir visão e proteger o atirador. Isso veio lá do DotA, quando eu também assumia a função em uma época em que o metagame era defensivo a ponto de dois suportes serem as verdadeiras “babás” de um herói que aos 40 minutos estaria forte o suficiente para carregar o jogo.

Foi difícil expandir essa visão com o passar dos anos. Graças aos asiáticos, alguns nomes de respeito começaram a mostrar o grande diferencial que um excelente suporte pode causar na partida de League of Legends. Qualquer um pode tentar proteger o time e jogar sentinelas pelo mapa para garantir visão — mas um Mata terá um papel muito mais ativo quando a panela da teamfight começar a esquentar.

Impacto: essa foi a palavra-chave que começou a aparecer cada vez mais no vocabulário dos suportes competitivos o suficiente para o alto nível das competições. Muitas vezes a função irá investir muito ou todos os seus recursos em utilidade para a sua equipe, mas isso não significa que você deixou de ser uma peça importante para a sua equipe.

Suporte LoL

E digo isso jogando nessa classe em três jogos diferentes no decorrer dos últimos anos: o que realmente há em comum no League of Legends, no DotA ou no Overwatch é que os melhores suportes conseguem fazer muito com o pouco que têm nas mãos.

Suporte também mata: o caso JJoNak

Vamos para um exemplo mais direto? O melhor jogador de Overwatch durante toda a temporada de 2018 foi um suporte. E digo isso sem medo: Sung-hyeon “JJoNak” Bang levou o MVP da temporada inaugural da Overwatch League pela New York Excelsior e também da Copa do Mundo de Overwatch pela Coreia do Sul. E isso que a NYXL ficou em terceiro naquele ano, perdendo para a Philadelphia Fusion nas decisões finais. Mas o estrago já estava feito durante toda a temporada.

E que estrago. JJoNak é conhecido pelo seu Zenyatta; um herói suporte que, apesar de curar o time com seu ultimate em área e uma orbe direcionada, ele tem um disparo com bom potencial de explodir cabeças. Assim sendo, ao contrário de muitos Zenyattas da Overwatch League, JJoNak não era um complemento de dano e cura para o seu time — muitas vezes ele é responsável pela eliminação constante e sem dó dos adversários.

Suporte JJoNak
Um dos exemplos de como JJoNak conseguia criar impacto com o mesmo personagem que seu adversário.

Isso também é representado na maior parte das suas partidas e nas suas estatísticas que se mantiveram incrivelmente estáveis durante toda a temporada inaugural da Overwatch League.

Claro que, em um jogo de tiro como Overwatch, a parte mecânica é muitas vezes essencial para se destacar no jogo. Afinal, um suporte cumpre um papel na estratégia de acordo com o herói em questão. Zenyatta aposta em dano e cura direcionado. Moira foca massivamente em sustain local. E, enquanto isso, Lúcio é o bardo curandeiro que fica saltitando como um canguru com patins no meio da folia.

A necessidade de cura e sustain em Overwatch é imensa — afinal, são doze jogadores trocando balas o tempo todo —, mas isso não significa que não há espaço para um suporte ser uma ameaça real de dano. Opa, e como um suporte pode ser uma ameaça com os cliques certos.

Suporte Overwatch Zenyatta

Já dizia um saudoso suporte do cenário brasileiro de Overwatch: suporte também mata. E aqui vai a nota de rodapé: JJoNak faz isso muito bem.

Trabalhando com o que tem: o caso Melissan

Mas como se destacar como um suporte além do gameplay em dia?

Muito bem, eu trago mais exemplos em League of Legends. Pois saiba que eu não canso de lembrar que o primeiro suporte da Fnatic era um gênio a frente do seu tempo.

Peter “Mellisan” Meisrimel se retirou do cenário competitivo ainda em 2013 quando ainda jogava ao lado de Shushei e companhia, mas antes disso mostrou que há muito espaço para criar jogadas agressivas nessa função — mesmo com habilidades que nem eram planejadas para esse tipo de jogada.

A “bait” mais genial que eu já vi no League of Legends foi de um suporte e ele só precisou utilizar uma magia de invocador. E ele fez isso parado, só esperando o adversário cair na armadilha. Saca só nos primeiros minutos do vídeo abaixo.

O metagame dos suportes na época era bem defensivo: proteja os AD Carrys, compre wards, use o Clairvoyance por todo o mapa para saber onde o time inimigo está. Era normal passear pelo mapa e “vuuush”, um olho de Sauron brotar do nada. E Mellisan usou desse recurso que tinha para enganar o próprio CandyPanda.

“Ô, mas se o Mellisan usou essa Summoner Spell aqui ele provavelmente está em algum outro lugar do mapa, né? Acho que tá safe clan, dá pra dominar esse matinho antes deles chegarem aqui.” Surprise mother foca: não foi bem assim que aconteceu.

Um suporte que não precisou de mecânicas incríveis para garantir essa morte: fez isso só com os recursos que tinha ali, naquele momento. Entrou na mente do adversário, usou o posicionamento ao seu favor. Fez o estrago desde o nível 1, trabalhou com o que tem. Criou o impacto de uma forma que nem o time adversário esperava.

Afinal, eu preciso carregar a partida?

Não precisa colocar na cabeça que a partir de agora você precisa carregar toda partida que jogar. Calma lá. A pressão de se cobrar demais funciona bem em mentes acostumadas a isso; os demais precisam trilhar um bom caminho até chegar nesse ponto.

Uma boa jogada aqui, uma proteção consistente ali, um desempenho bom no geral normalmente já é suficiente para um suporte fazer a diferença em uma partida. Mas é importante você perceber que janelas você pode e deve aproveitar para se tornar cada vez melhor. Estudar o que você pode fazer diferente.

Mantenha na cabeça o que você pode fazer para se destacar. Lembre-se: muitos por aí podem escolher um boneco suporte e só ficar curando na maresia da batalha. Poucos sabem o momento certo de silenciar os oponentes. Ou jogar um controle de grupo no alvo mais prioritário.

Treine sua mecânica, treine sua tomada de decisão. Use isso em seu favor. Pense como você pode ferrar com a vida deles. E, no fim, saboreie o impacto da sua jogada derretendo a alma do time adversário.

É lindo de se ver.