Os quatro torneios promovidos pela BBL para o cenário feminino em 2019 (Foto: BBL)

Na manhã desta terça-feira (26), a BBL anunciou um circuito de torneios femininos. Visando competidores amadores e profissionais, o circuito terá quatro competições principais e ocorrerá entre abril e dezembro, com etapas presenciais e premiações.

Quatro jogos estarão na parada: League of Legends, Counter-Strike: Global Offensive, Rainbow Six Siege e Dota 2. Essas modalidades serão contempladas em três competições: White Rabbit Cup (amador), Mad Hatter (transição) e o Queen of Hearts (premium).

Além disso, ainda terá o qualificatório regional LATAM do GIRLGAMER Esports Festival, evento internacional a ser disputado no fim do ano.

Apresentadora da BBL, Camila “CamilotaXP” Silveira foi só elogios à iniciativa. “Me dá muita alegria ver o cenário feminino crescendo e atraindo investimentos. As meninas ainda precisam de um espaço seguro, que as respeite, para então se desenvolverem e conseguirem bater de frente com qualquer cenário”.

CMO da BBL, Leo De Biase destacou a importância desse circuito como forma de consolidação para as jogadoras profissionais e amadoras. “O cenário de esports ainda é majoritariamente masculino, mas as mulheres estão aí brigando por espaço e, aos poucos, conquistando. O circuito feminino é mais um passo para que elas conquistem visibilidade, ganhem experiência e se fortaleçam como jogadoras profissionais”.

JORNADA DA HEROÍNA

O circuito promovido pela BBL será uma verdadeira jornada para as participantes. Do nível amador ao profissional, serão quatro competições entre abril e dezembro – a começar pelo White Rabbit Cup, que estreia 6 de abril.

O torneio amador terá disputas de League of Legends, CS:GO, Rainbow Six Siege e Dota 2. Não haverá etapa qualificatória, bastando apenas se inscrever para poder participar.

A premiação será por meio de créditos válidos para cada jogo (Steam Card, R6 Credits etc) ao decorrer das semanas. Para a fase final, que será sempre transmitida, a premiação já será com um montante de R$ 1 mil por modalidade.

Na sequência, teremos o Mad Hatter – o segundo passo na jornada rumo ao competitivo. Aqui, teremos apenas R6 e Dota 2, com R$ 1 mil de premiação por jogo a cada fase final.

Trata-se de um torneio de transição já que vale vaga para o próximo campeonato do circuito. Não terão qualificatórios também. Todas as partidas serão transmitidas.

Assim, chegamos ao Queen of Hearts, que é o ponto mais alto dessa jornada. Considerado o evento premium, é a competição que juntará as melhores equipes classificadas do Mad Hatter e também times vindos das qualificatórias abertas. E tem mais: equipes internacionais receberão convites para participar da etapa presencial.

Igual ao Mad Hatter, todos os confrontos serão transmitidos – menos os qualificatórios abertos. A premiação total, contudo, será bem maior: R$ 23 mil para cada jogo. Reforçando que aqui R6 e Dota 2 serão as modalidades contempladas.

Por fim, o circuito ainda terá o qualificatório regional do GIRLGAMER Esports Festival, evento internacional com edições já realizados em 2017 e 2018. Nesse caso, os times da América Latina de LoL e CS:GO poderão participar e brigar pela vaga ao mundial.

O calendário de cada torneio, assim como suas respectivas temporadas, será divulgado ao decorrer do ano nas redes sociais da BBL.