Nessa sexta-feira (16) a Tencent, empresa de jogos da China, anunciou na rede social chinesa Weibo, que prendeu 34 suspeitos envolvidos no processo de criação e disseminação de hacks para serem utilizados no jogo de sobrevivência PlayerUnknown’s Battleground (PUBG).

Segundo a Tencent, cuja qual adquiriu os direitos do game na China em maio de 2018, as investigações tiveram 5 meses de duração, após sua equipe de cibersegurança notar contas promovendo esses cheats em redes sociais, com uma força-tarefa especializada no assunto. As prisões foram realizadas no condado de Pingyang, em Zhejiang na costa sul da China.

Além dessa onda de prisões, mais de cem pessoas já foram presas por uso de cheat dentro do PUBG na China. Em fevereiro, 99% das contas banidas em todo o mundo por uso de hacks eram do país asiático.

A empresa tem lutado veemente contra o uso de trapaças, prezando pela qualidade dos seus jogadores, sabendo que o uso de hack é um dos motivos que mais desanimam os players limpos. A Tencent afirma que continua trabalhando com a polícia chinesa em todo o país para tentar exterminar essas ilegalidades dentro do jogo.